Conto de Incesto: Virei macho da minha própria filha

Oi, não gostaria de revelar meu nome mas vou contar uma experiência que vivi com minha filha de 19 anos, a quem vou chamar de Mariana. Ela é uma garota bem bonita, não foi criada comigo já que me separei da mãe dela quando ela ainda era muito nova e eu tive que mudar de estado por conta do trabalho, então só via a Mari duas vezes por ano, porque ela sempre passa as férias comigo.

A gente sempre se divertia juntos e a minha filha sempre foi muito apegada a mim, mas depois de um tempo, quando ela fez 18 anos, comprei um carro pra ela, ela entrou para a faculdade e passou a namorar com um colega, coisa que me deixou com um ciúme doentio, eu tinha raiva do cara sem conhecer ainda e ficava puto imaginando ele comendo minha filha, mas tentava tirar esses pensamentos da cabeça porque eu achava um pecado.

Um dia ela disse que viria pra minha casa com ele, a quem vou chamar de Emanuel, e eu não gostei nadinha da ideia, briguei com ela e ela como rebelde disse que sem ele não viria, então eu disse que era melhor mesmo porque não queria saber de conhecer malandro que queria comer minha filha. Ela ficou chocada com o termo que usei e disse que eu tava com ciúmes dela, mas que não deixaria de ser a minha garota.

A gente desligou, eu fiquei pensativo, já sabendo que ela não viria mais para minha cidade, mas 3 dias depois da ligação ela aparece na minha porta dizendo que queria fazer uma surpresa e funcionou! Ela tava mais linda que da última vez que eu tinha visto, tava gostosa, mais malhadinha e chegou com uma camisetinha branca e um shortinho rasgado que deixava suas pernas grossas de fora e tive que me segurar muito para não olhar ela de cima a baixo.

Ela contou da viagem, as novidades, falou do namorado e veio sentando no meu colo pra me encher de beijos, e amigos, tentei me segurar mas tive uma ereção e ela com certeza sentiu mas ignorou completamente. Mesmo assim minha filha ficou no meu colo e depois desse dia ela começou a ser mais provocante sabe? ela ficava de calcinha e sutiã pela casa, eu dava bronca porque eu não conseguia ignorar o meu tesão e ela dava um sorrisinho maldoso sempre.

Ela sentou no meu colo e foi uma delícia

Um dia a gente foi jogar tênis em um clube aqui da cidade e na volta pra casa ela tava com aquela sainha que as mulheres usam para jogar e sentou no meu colo e me encheu de beijo, mas o contato tão direto com ela fez meu pau subir e sem dizer nada a Mari começou a mexer sua bundinha até ficar na posição certinha do meu caralho e discretamente ela começou a mexer devagar, disfarçando que não era nada de mais.

Eu não aguentei, segurei a cintura dela, comecei a esfregar meu pau na bunda dela e mesmo de short eu pude sentir ela toda molhada, a bocetinha dela escorreu em mim e eu não segurava mais, só que ela levantou bruscamente, disse que ia tomar banho e me deixou ali. Na mesma hora tive que ir para o meu quarto tocar uma punheta pra aliviar, tomei banho depois e fiquei deitado morrendo de vontade de comer minha própria filha.

No jantar a gente saiu pra comer em um restaurante no shopping e na volta ela pediu ainda para passar num fast food que ela queria comprar milk shake, aí nós fomos e na volta enquanto ela bebia, de repente colocou a mão na minha pica e eu quase bati o carro de susto. Ela falou que só queria sentir com a mão o tamanho real do meu pau. É, minha filha tava se revelando uma putinha e eu tava adorando isso.

Em casa ela já foi tirando a roupa, ficou só de calcinha e sutiã pretos e sentou de pernas abertas no sofá para ver TV e eu que até então tinha me segurado, já não aguentava mais cheguei na sala só de cueca e puder ver o susto dela vendo o volume da minha pica que tava explodindo de tesão por ela, mas não disse nada.

Sentei do lado dela e perguntei porque ela não sentava no colo do papai, e ela veio, sentou e começamos a brincadeirinha que já tinha rolado antes, ela sentada, eu pegando em sua cintura e fazendo ela roçar a bundinha no meu caralho duro. Ela começou a se roçar com mais vontade, esfregando gostoso e de repente sem aguentar mais coloquei a pica pra fora e pedi pra ela me chupar.
macho
A putinha caiu de boca super desajeitada, disse que nunca tinha feito isso, e depois de um tempo foi minha vez de chupar a bucetinha dela, que tinha um gosto muito bom e eu sentia ela se contorcendo inteira de tesão. Eu sentia muita culpa por fazer aquilo mas eu não segurei o tesão e fiz um oral bem gostoso nela, depois levei minha filha para o meu quarto, coloquei ela deitadinha sobre a cama e fiquei observando o quanto ela era gata.

Ela não disse nada, só me olhou e sorriu, e eu entendi que era hora de meter gostoso naquela bocetinha, mas quando fui colocar ela pediu pra eu ir devagar porque ela era virgem, e isso me deu mais tesão ainda. Fui subindo nela devagar, abri suas pernas e tive aquela visão da bocetinha com poucos pelos, bem douradinhos e coloquei a cabeça do meu pau devagar, ela arranhou minhas costas e eu disse pra ela relaxar porque ficaria mais gostoso, e ela disse que ia tentar.

Enchi ela de beijos gostosos, chupei os peitinhos dela e depois fui metendo, ela me arranhando, gemendo e eu doido estoquei tudo de vez, e garanti que ia ficar gostoso, então ela foi relaxando mais e gemendo de prazer. Minha vontade era de socar com força mas me segurei pra não machucar a Mari e me deliciei com seus gemidos gostosos, pedindo pra eu fazer daquele jeito que tava gostoso e dizendo que sempre teve vontade de fazer aquilo comigo.

Eu não demorei, tirei o pau pra fora e gozei fora, não tive coragem de gozar na cara dela, mas valeu muito a pena essa transa gostosa que rolou entre a gente e nossa família nem imagina o que rolou porque nós somos muito discretos, mas sempre que a Mariana vem pra cá a gente vive como um casal. Nunca arrumei uma namorada séria e nem ela. Ela virou minha mulher e eu o homem da minha própria filha.

Categorias:

Contos de Virgens, Incesto

Comments are closed.