Contos de Incesto: Transei com minha irmã bêbada

Transei com minha irmã bêbada. Me chamo Caio, tenho 20 anos e tenho um histórico com a minha irmã que é dois anos mais nova que eu, mas apesar disso eu sempre fui o atrasadinho e ela desde cedo sempre foi bastante namoradeira.

Eu morria de ciúmes dela, via como os caras, inclusive meus amigos, curtiam olhar pra ela e teve um amigo meu que acabou pegando ela, e eu parei de falar com o cara porque não conseguia lidar com o fato de que ele comeu ela. O nome dela é Daniela, uma morena gostosa de cabelos grandes que batem na bunda e que bundinha viu? toda empinadinha. Minha maninha realmente foi favorecida pela natureza sem precisar de academia pra ter tudo em ordem.

Minha mana safada ficava de shortinho curto pela casa, me deixava doido de tesão e ela adorava isso. Ela sabia que eu olhava pra ela e fazia tudo para provocar, mas claro que nossos pais nunca perceberam nada. Um dia ela acabou me pegando na punheta e ficou toda sem graça, mas senti que depois disso ela começou a provocar mais. Parecia uma fêmea no cio chamando a atenção do seu macho.

Um dia rolou a formatura de uma amiga nossa aqui do bairro e nós fomos e essa festa foi uma doideira, fiquei bêbado logo cedo e minha irmã também. Ela começou a ficar mais safadinha e disse que tava muito mal, então fui com ela até o banheiro e a safada queria que eu entrasse com ela, confesso que fiquei tentado mas alguém ia ver, com toda certeza.

A gente foi pra casa 4 da manhã, ela toda desajeitada, o vestido levantado, eu vi a calcinha dela, branquinha, quase transparente, deu pra ver a bocetinha depilada dessa gostosa. Fui ajudar ela no banho, ela ficou pelada na minha frente e disse pra eu não olhar para ela.

Tomei banho com ela e rolou!

Ajudei ela no banho e mandei ela não fazer barulho, para não acordar nossos pais, e ela me puxou para o banho, acabou me molhando inteiro. Fiquei puto, mas ela disse que já que eu tava molhado era melhor entrar com ela no chuveiro, e eu tirei a roupa e entrei, a gente tomou banho enquanto ria e conversava.

Ela se abaixou para lavar a perna e tive a visão daquela bundinha gostosa toda empinadinha. Notei que o cu dela era raspadinho e vi aquela bocetinha aberta naquela posição. Fiquei louco, meu pau ficou duro na hora, me virei mas ela estranhou e perguntou porque eu tava virado.

Eu tava sem aguentar de tesão mesmo então mostrei meu cacete duro, ela abriu a boca surpresa e disse que eu era muito safado, que tava desejando minha própria irmã. Depois disso ela perguntou se eu tinha trancado a porta do quarto, eu respondi que sim, e ela disse que tava tudo certo.

Ela me empurrou bem agressiva até o vaso sanitário, sentei com meu cacete em ponto de bala. Ela toda molhada se ajoelhou, caiu de boca e falou que minha pica tinha um gosto bom. Eu tava doido, que boca gostosa da minha irmã, eu tinha que segurar ela porque a putinha tava caindo de bêbada e quase dormiu me chupando, mas a gente já tinha ido até ali e eu não queria voltar atrás, então levantei, peguei ela, encostei na pia e fiz ela apoiar a perna no meu ombro para eu poder ficar a vontade chupando sua bocetinha gostosa.

Eu enfiei a língua naquele grelinho, ela se contorcia, gemia e colocava a mão na boca para abafar o barulho. Ela tava toda molhadinha, uma delícia, eu enfiando a língua na entrada pude perceber que ela era bem apertadinha, fiquei mais louco imaginando meu pau sendo esmagado pela sua xota.

Eu virei ela de bruços com agressividade e enfiei meu pau de uma vez, tava muito afim e não queria ficar fazendo muito charminho. Bombei na minha irmã, senti realmente ela apertar meu pau, dei um tapa na bunda dela e mandei ela rebolar, e a safada mexeu gostoso, virava a cabeça pra me beijar, parecia cena de vídeo pornô. Eu segurava ela pela cintura, socava gostoso, ela me chamava de safado, dizia que meu pau era uma delícia.
irmã bêbada
Minha irmã gemia feito vagabunda, era muito gostoso, eu ia metendo mais forte e ela gemendo mais, tampei a boca dela, levei a safada pra cama e pedi pra ela abrir o cuzinho pra mim que eu ia arrombar. Eu soquei no cuzinho dela que tava piscando gostoso de tesão, ela reclamou de dor, mas depois de meter devagar ela foi relaxando e começou a gemer de prazer.

Eu socava meu pau até o fundo daquele rabo, depois tirava até a cabeça, aí metia de novo bem gostoso. Minha irmã era muito puta, ela ficou rebolando bem safadinha, me chamando de cachorro, de pau gostoso, dizendo que eu ia deixar ela arrombada mas que tava uma delícia.

Eu senti ela gozar gostoso, ela começou a se contorcer, me apertar e ficou bem ofegante, mas eu ainda não tinha gozado, continuei metendo sem tirar e quando o gozo veio eu enchi o cuzinho dela com a minha porra branquinha e grossa, que escorreu inteira pelo rabo dela enquanto eu via aquele buraquinho apertado bem largo depois de eu meter.

Ela abriu o cuzinho com as mãos e mandou eu ver meu leite saindo pelo seu rabo, me senti poderoso depois de ter gozado na minha irmã. A gente levantou, fomos tomar banho e ela foi para o quarto dela, mas mesmo depois disso eu tiver que bater uma punheta relembrando essa foda.

Categorias:

Incesto

Comments are closed.