Conto de Traição: Minha colega de trabalho virou minha puta

Minha colega de trabalho virou minha puta. Olá, me chamo Augusto mas todo mundo me chama de Guto. Resolvi mandar esse relato verídico porque adoro contos eróticos e acho que a galera vai curtir uma aventura que tive com uma gostosa do meu trabalho, uma morena chamada Mara.

Eu trabalho a 3 anos em uma empresa de publicidade e volta e meia eu e o pessoal de lá, saímos para tomar uma cervejinha gelada e curtir um pagode lá perto. A Mara sempre ia e chamava a atenção de todos. Ela é uma morena linda, cabelos lisos, pelo bronzeada, uma bunda perfeita, uma boca carnuda e peitinhos bem gostosos.

Eu babava por ela, meus colegas de trabalho sempre tentavam jogar a conversa mas ela tinha namorado e não dava moral, por isso mesmo eu ficava desejando ela na minha, sem dar bandeira pra ela não me dar um fora como dava nos caras, mas era difícil não querer dar em cima dela, a mulher é um tesão.

Um dia a gente foi no barzinho de sempre, tava rolando um pagode maneiro e a gente começou a tomar cerveja e bater um papo. A Mara ficou do meu lado e começou a conversar comigo sobre um monte de coisas, logo ela tava meio alta de tanta cerva e ficou com as garotas da agência conversando sobre sexo na minha frente e na frente de mais 3 amigos.

Os caras devem ter ficado com tesão assim como eu, porque elas falavam muita sacanagem, o que gostavam de fazer na cama e a Mara comentou que a posição favorita dela era de quatro. Eu fiquei imaginando como aquela gostosa devia ficar na posição, gemendo, rebolando no pau e tive que me controlar pra não ficar de pica dura ali mesmo na frente de todos.

O papo continuou, não aguentei, comecei a xavecar ela, papo vai, papo vem, notei que ela tava curtindo, comecei a elogiar ela, falar que ela era gata pra caralho, e outras coisas que nós homens falamos quando queremos comer uma mina. Teve uma hora que levantei pra ir ao banheiro, ela disse que queria ir também e chegando lá na porta do banheiro do barzinho lotado, a gente começou a se beijar gostoso. Logo fiquei de pau duro e ela se juntou mais ainda ao meu corpo para poder sentir.

Eu disse a ela que tava louco e perguntei se ela queria ir para outro lugar comigo. Ela disse que não queria dar bandeira na frente da galera e mandou esperar um pouco, então voltamos pra mesa, trocando olhares safados, ela levantou com as meninas pra dançar, me deixou doido de tesão e depois de umas horas já perto das 23 fomos todos indo embora.

Eu ofereci uma carona pra ela e pra outra colega, levei a menina primeiro em casa com a desculpa de levar a Mara por último. Depois que deixamos a Sandra, uma das colegas, fiquei com tesão demais e comecei a acariciar a Mara ali mesmo no carro. Ela ficou com o maior tesão, pegava no meu pau com uma vontade danada, apertava, fazia carinho e logo abriu o zíper da minha calça e deu uma chupada gostosa.

No motel a coisa pegou fogo!

A gente parou a sacanagem na porta do motel, entramos e a gente nem desceu do carro, ela já tava me chupando gostoso pra caralho de novo. A boca dessa safada é uma delícia e ela paga um boquete bom da porra, eu tava ali recebendo a chupada e logo dei uma gozada na boca dela e pra minha surpresa ela não teve frescura em sentir minha porra na boca dela.

Depois disso eu tava me preparando pra outra e enquanto isso eu dei uma chupada na bucetinha dela. Era toda lisinha, as beiradinhas rosadinhas e tinha um cheiro gostoso de mulher que me deixa louco. Eu comecei a chupar ali mesmo no carro, ela gemia gostoso, rebolava na minha boca e depois de um tempo ela disse:
– Vamos entrar no quarto, quero deitar naquela cama e abrir as pernas pra você.

Eu fiquei doido, meu pau endureceu de novo, levei ela pra o quarto sem parar de beijar a safada nem um minuto. Ela tava toda molhadinha, até escorria pelas pernas, a safada deixou toda a roupa no carro e entrou nua no quarto então comecei a beijar gostoso de novo, enfiei a língua em sua boca enquanto acariciava sua boceta.

Ela deitou na cama abriu as pernas e disse pra eu ir comer ela, exatamente assim, toda vulgar, bem safada do jeito que eu gosto. Ela botou a camisinha no meu pau, começou a brincar com ele, deitou e eu meti gostoso naquela safada e meu pau deslizava bem fácil na sua bucetinha melada, era uma loucura.
puta
Ela me deixou todo arranhado enquanto eu metia. Gemia gostoso pra caralho e enquanto eu comia aquela xota apertada ela perguntou se eu queria comer o cuzinho dela, fiquei doido e botei ela de quatro, na posição que ela falou que mais gosta. Eu dei uns beijos naquele rabo gostoso, deixei ela mais molhada, lambuzei seu cuzinho com o seu melzinho gostoso e preparei meu pau pra enrabar a morena.

Ela gritava igual filme pornô, eu enchia a bunda dela de tapas, deixei toda vermelha, se o namorado dela visse ela ia se ferrar, mas eu só queria aproveitar aquela morena gostosa, então soquei fundo no seu cu até o talo, ela gemia de dor e prazer. A safada meio que passou um cheque mas mesmo assim continuei até gozar e quando tirei a pica seu cu tava com um buraco todo arregaçado.

A gente foi tomar banho e levei ela pra casa. Deixei ela lá e no dia seguinte no trabalho ela veio atrás de mim pediu para eu não contar a ninguém por causa do noivo dela e deixamos isso pra lá, mas valeu a pena cada minuto que comi minha colega de trabalho vadia.

Categorias:

Contos de Traição

Comments are closed.