Contos de Traição: Meu marido vacilou e virou corno no bairro

Me chamo Solange, tenho 31 anos, sou casada com o Alfredo, que virou corno e é mais conhecido como Fred, que tem 40. Meu marido é um homem bonito e desperta o interesse de muita mulher, mas comigo ele sempre foi um grosso. Não sou uma mulher de se jogar fora, tenho 1,65 de altura, 60 quilos, do tipo falsa magra, seios médios rosadinhos, branquinha, cabelos castanho escuro e uma bunda bem redondinha empinada.

Ele demorava muito a me procurar, eu tinha que me aliviar assistindo filmes pornô e me masturbando. Sempre tive uma tara louca de ver vídeo daqueles homens negros deliciosos comendo as mulheres com força. No fundo eu tinha um desejo louco de ser puta e casada com o Fred, isso nunca ia acontecer, o sexo entre a gente era morno e bem sem graça, sempre ele gozava e eu ficava na mão.

As vezes eu chorava baixinho me sentindo frustrada sem sentir prazer, quando eu pedia algo pra ele fazer comigo na cama, ele dizia que era coisa de mulher safada e brigava comigo. Eu tava muito infeliz nesse casamento e a gota dágua foi quando descobri que meu marido tava me traindo com uma colega de trabalho que era mais nova e bem mais gostosa que eu.

Me senti um lixo, humilhada e fui reclamar com ele, a resposta que ele me deu é que eu era louca, relaxada e por isso ele procurava outras na rua. Me deu uma vontade grande de me vingar, então comecei a me cuidar, cortei meu cabelo, comecei a me maquiar, deu uma renovada no meu guarda roupa e comecei a frequentar a academia.

Logo os olhares foram mudando, aqui no bairro os caras começaram a olhar pra mim com interesse, assoviavam quando eu passava e um deles em especial era o Carioca, um moreno com cara de safado, malhado, com uns 20 anos que parecia aqueles funkeiros do Rio. Ele tinha um sotaque gostoso, um jeito de safado e toda vez que eu passava para a padaria, ele me chamava de gostosa, dizia que me pegava toda, fazia isso, fazia aquilo.

Intimei meu vizinho safado a me comer

Todo dia era a mesma coisa, um dia não aguentei mais e fui até ele e disse:

-Será que você faz tudo isso que você fala? quem conta vantagem demais não faz nada.

Ele ficou todo sem graça e pediu desculpas e nos outros dias ele só me secava, sem falar mais aquele monte de besteira, e não sei porque, o jeito cafajeste dele me atraía e um dia convidei ele pra ir lá em casa, na maior cara de pau mesmo, queria me vingar do meu esposo.

o Carioca aceitou, servi uma cerveja pra ele e mandei ele ficar a vontade. Ele estranhou e perguntou porque eu tinha convidado ele pra ir em casa. Eu disse a verdade, que queria conhecer ele melhor e ele me provocou tanto que fiquei curiosa pra saber como ele era.

Sem falar mais nada, sentei no colo dele, eu tava me sentindo uma puta, mas nem liguei, queria dar mesmo e de quebra dar uma lição no meu mais novo corninho.

-Porra, tu é safada mesmo hein? que tesão do caralho mulher, aproveita pra dar uma mamadinha aqui na minha pica.

Eu queria ser feita de cachorra, obedeci, abri a bermuda dele, me deparei com aquele pauzão gostoso saltando bem na minha cara e comecei a chupar tudinho.

-Que boca gostosa, seu marido não tá dando conta não?

-Meu marido não tá merecendo uma chupada como essa, ele tá me deixando muito sozinha, e pra que falar dele? sua pica é muito mais gostosa.

-Então chupa gostoso até eu gozar na sua boca vai, quero gozar gostoso nessa boquinha e depois comer essa tua buceta gordinha.

Depois de acabar a chupada, ele gozou gostoso na minha boca, bebi todo seu leitinho e tava com minha bucetinha latejando de tesão por ele.

-Deita aí gostosa, quero te chupar.

Deitei de pernas bem abertas, ele deu uma cheirada gostosa na minha buceta, depois começou a me linguar bem gostoso, me deixando louca, fazendo eu me contorcer inteira, gemer igual puta e pedir mais. Ele caprichou, enfiou a língua lá dentro, tirava e colocava e cada vez que fazia isso eu ficava doidinha de tesão.
virou corno
Em poucos instantes foi a minha vez de gozar, um gozo gostoso que me deixou mole e toda sensível, mas o safado não teve dó, colocou a camisinha, veio pra cima de mim e arreganhou minhas pernas de um jeito igual filme pornô.

Ele começou a meter gostoso, fudendo com vontade, urrando de prazer comigo na cama, beijando minha boca, mamando meus seios com força e batendo na minha cara.

-Apertadinha, gostosa do caralho! Era pica que você queria pra baixar teu fogo né?

-Sim, eu quero ainda, quero sua rola, me fode, mete na minha buceta.

Foi gostoso demais, eu senti que ia gozar de novo facinho com ele me fudendo daquele jeito e falando um monte de sacanagem.

-Caralho piranha, tu é muito gostosa, vai fazer eu gozar de novo porra, geme mais pra mim vai.

E eu não parava de gemer, rebolar, pedir pica, ficar louca com ele me comendo, minha buceta ainda latejava e tava toda dolorida de tanto ele me comer de ladinho, de quatro, em cima de mim.

A gente passou a tarde toda fudendo e só paramos quando chegou a hora do meu marido voltar. Me senti vingada sabendo que meu marido é corno, mas eu ainda queria mais, queria foder com outros machos e o Carioca disse que tinha um amigo que tava louco pra me conhecer, mas isso é outra história que volto pra contar.

Categorias:

Contos de Traição