Contos de Fetiche: Fui putinha do segurança da boate

Fui putinha do segurança da boate

Oi gente, me chamo Mônica, tenho 22 anos, 1,65 de altura, 50 quilos bem distribuídos, cabelos castanhos na altura da cintura, coxas grossas e seios fartos. Sou viciada em academia, balada e praia.

Adoro ler contos eróticos e me masturbar bem gostosinho durante a madrugada, por isso quero deixar um relato bem safado aqui para vocês, de uma das minhas aventuras sexuais. Eu todo fim de semana vou para a balada com as minhas amigas, a gente enchia a cara, beijava uns carinhas mas eu sempre soube me comportar direitinho e não passar dos limites.

Tem um segurança na boate chamado Caio, um negão de quase 1,90, todo malhado e eu achava ele gato com aquele uniforme de terno e gravata, todo sério vigiando o movimento do lugar. Ele me cumprimentava e me olhava com jeito de safado, mas eu tinha preconceito de dar corda por ele ser um segurança.

Sempre fui patricinha e tava acostumada com aqueles filhinhos de papai da faculdade, nunca tinha pego um homem de verdade. O Caio aparenta ter uns 32 anos, por aí e pela cara dele, era daqueles tipos de homem que parecem fazer tudo na cama, arregaçar a mulher.

Um dia fui com um dos meus namoradinhos para a balada, ele encheu a cara, acabamos discutindo, eu comecei a chorar, minhas amigas já tinham ido embora, eu ia chamar um táxi para ir pra casa, mas quando fui lá fora o Caio disse:

-Ei moça, tá tudo bem? meu turno já acabou, se você esperar um pouco eu te levo em casa.

Eu não sei o que me deu, mas aceitei a carona. No carro ele foi tentando me animar, contei a situação e ele disse que eu era muito gata para um otário qualquer me dispensar, e que se tivesse uma mulher como eu, ele ia fazer ir aos céus.

Como eu tava meio bêbada e querendo me vingar do meu namorado, eu acabei beijando ele quando o carro parou num semáforo. Senti as mãos fortes dele segurando minha cintura, me puxando para um beijo bem gostoso.

Topei ir com ele para um motel

Senti a língua gostosa daquele negão brincando com a minha, fiquei doida de tesão, na hora eu fiquei molhadinha e me surpreendi com a química que rolou entre nós dois. Ele chegou no meu ouvido e disse que queria me comer, me chamou para ir num motel.

Eu tava nervosa de ir transar com um desconhecido, mas na hora do tesão a gente nem pensa muito nisso. Fomos no primeiro motel que encontramos, era meio caidinho, aqueles motéis bem simples e baratinhos sabe?

Chegando lá ele foi tomar um banho, resolvi ir tomar também e quando eu voltei para o quarto, ele tava na cama de pau duro, quase cai para trás com o tamanho do pau dele.

A pica do negão tinha mais de 22 centímetros fácil. Eu fiquei até com medo, sabia que ia ficar toda arrombada naquele cacetão negro delicioso. Ele me olhou, disse que eu sou bem gostosinha e me pediu pra mamar a sua pica.

Fui lá pertinho dele, fiquei de quatro peladinha de costas pra ele e comecei a masturbar sua pica devagarzinho, deixei mais durinha ainda e fui metendo minha boca, dando uma chupadinha bem gostosa. Eu engoli aquele pauzão delicioso, fui botando a cabecinha na boca, depois enfiei até o talo e mamei com vontade, nunca tinha chupado um pau daquele tamanho.

-Isso putinha, engole meu cacete vai, mete tudinho nessa boquinha gostosa, sua safada.

Ele enfiava o pau com força na minha boca, quase eu pedia arrego, ele tem uma pegada bem gostosa e bruta que me fez sentir uma putinha daquelas de rua obedecendo ao cliente.

Eu engolia aquele cacetão, ele ia aumentando o ritmo, logo senti que ele ia gozar, pedi pra ele não gozar tão rápido então paramos e invertemos as posições. Ele me pegou no colo, me jogou com força na cama, abriu minhas pernas e começou a beijar minhas coxas, foi beijando a testa da minha buceta e eu não tinha mais controle, gemi de tesão, me contorci toda e gritei quando senti a língua grande dele invadir minha buceta e tocar no meu grelo.

-Que gostinho bom tem a sua buceta, safadinha, vou comer você todinha hoje, quero você gozando na minha boca, cachorra safada.

-Aiii, me chupa, me come, faz o que você quiser, mete a língua na minha bucetinha, não tô aguentando mais de tesão.

Eu só conseguia gemer, alto, me contorcer e comecei a rebolar gostoso na boca dele.

-Isso putinha, rebola gostoso vai, logo vou te dar minha pica todinha.

Eu senti o tesão aumentando, logo aquilo foi me arrepiando, senti que ia gozar e foi isso, gozei na boca dele. Dei uma gozada bem gostosa que me fez ficar bem relaxadinha na piroca do Caio.

Ele disse que agora era a vez dele de me sentir, mandou eu continuar arreganhada e veio colocando o pau dentro de mim. A gente tava com tanto tesão que nem usamos camisinha, foi uma loucura.

Quando ele encaixou o pau na minha xaninha ele ficou louco, soltou um gemido gostoso e mordeu meu pescoço.

-Caralho, mulher! que bucetinha apertada você tem, que gostoso, sua safada. Vou me acabar nessa buceta gostosa.

-Abre bem essa buceta pra mim, abre, quero essa xana arreganhada para o meu pau atolar todinho nela.

-Ahhh, mete essa pica, fode minha buceta, seu safado gostoso. – eu disse e ele adorou.

O pau dele alargava minha bucetinha, eu tava tão molhada, o caldinho da minha buceta lambuzava ele todo, o cheiro de sexo tava forte no quarto, a gente suando, gemendo gostoso, ele chupava os bicos dos meus peitos e deixava marquinha. Isso me dava mais tesão ainda.

-Você gosta de dar o cuzinho? tô com vontade de arregaçar o seu.

-Coloca devagar tá? meu cu é bem apertadinho e seu pau é grosso.

Ele me colocou de quatro e começou a roçar a pica no meu reguinho, era muito gostoso isso. Eu me arrepiava e comecei a rebolar meu rabinho na vara dura dele.
segurança
-Tá louca pra me dar o cuzinho né vadia? olha como seu cuzinho tá piscando, que tesão!

Continuei rebolando, ele colocou seu cacete aos poucos, doeu muito mas deixei rolar, ele foi continuando e seu pau tava todo dentro do meu rabo.

Ele começou a socar forte, segurou meus cabelos com a mão e deu um tapa forte na minha bunda que eu até gritei.

-Mexe putinha, rebola essa bunda no meu caralho, mexe gostoso!

Eu rebolei gostoso, gemi, gritei, pedi pra ele me comer mais e ele socava forte, sentia suas bolas batendo em mim e fazendo um barulho alto que excitava mais ainda nós dois.

-Caralho, não tô aguentando mais, ahhh, que delícia de cu, vou gozar porra, ooooohhh.

Ele soltou um jato de porra no meu cuzinho gostoso, me deixou toda meladinha e assada com o seu pauzão me arrombando. Ele me levou de volta pra casa e eu passei uns dias dolorida mas valeu muito a pena essa foda.

Categorias:

Fetiche