Conto de Coroas: A amiga coroa da minha mãe

A amiga coroa da minha mãe. Eu me chamo Otávio, tenho 23 anos hoje e todos me chamam de Tavinho. Moro com minha mãe e uma irmã e meu pai mora em outra cidade, por isso eu sempre tive que ser o homem da casa, pau para toda obra, inclusive as vizinhas amigas da minha mãe costumam até hoje me pedir favor.

Bom, minha mãe tem uma amiga chamada Jane, ela é uma senhora de uns 45 anos muito bonita, morena, cabelos longos e se veste sempre de maneira bem discreta e ao mesmo tempo sexy. Ela sempre vem aqui em casa, ela e minha mãe vão juntas para a igreja e se dão muito bem, ela é separada do marido e sua filha é casada, então ela mora sozinha.

Eu nunca tinha pego uma mulher mais velha, mas a dona Jane era diferente, ela tem um charme, é toda misteriosa e acho que toda essa discrição foi o que me chamou atenção, então eu olhava pra ela, prestava atenção naquela bunda enorme, naqueles peitos gostosos e comecei a nutrir um tesão por ela, mas eu botei na cabeça que nunca aconteceria nada, porque se minha mãe soubesse disso, a merda tava feita.

Um dia, ela ligou aqui pra casa umas 21 da noite e pediu pra eu dar uma olhada na torneira da casa dela, que tinha quebrado e tava pingando sem parar. Fui lá sem camisa mesmo, porque eu tava relaxando em casa, então fui até o fim da rua onde ela mora e depois de uma conversa rápida eu fui olhar a torneira, ela me deu as ferramentas que tinham lá, arrumei tudo, fiquei meio molhado e ela subiu pra pegar uma toalha pra mim.

Ela tava usando um vestido preto bem justinho que deixava o corpo dela todo marcado, uma delícia. Ela trouxe a toalha e começou a puxar papo comigo, pediu pra eu sentar um pouco, me deu um refrigerante e do nada começou a falar:

– Você se tornou um rapaz tão bonito! Tá malhando né? Você agora em camisa, deu pra perceber. – E sorriu depois de falar isso, me deixando meio sem jeito, mas querendo que ela desse mais brecha pra mim.

Ela perguntou se eu tava namorando, eu disse que tinha uma namorada no bairro e ela respondeu que ela era muito sortuda por namorar um cara bonito como eu e que se tivesse minha idade eu ia ficar doido por ela. Eu concordei e disse que ela era muito bonita na idade que tem, e não precisava ser novinha pra eu me interessar.

Nessa hora vi ela dar um sorriso bonito e sentar ao meu lado puxando papo e toca hora tocando na minha mão, no meu braço, na minha perna. Por pouco não fiquei de pau duro quando ela começou a olhar pra minha boca e passar a língua nos lábios. Bom, tive que ir embora porque minha mãe ligou estranhando a demora.

Me despedi e disse que qualquer coisa ela poderia me ligar que eu ia correndo, e ela deu um sorrisinho sacana dizendo que ia chamar mesmo, e foi o que aconteceu, no dia seguinte ela me ligou dizendo que o problema da torneira tinha voltado e ela comprou uma torneira nova e queria que eu trocasse.

Eu avisei a minha mãe que ia dar uma saída mas não disse para onde eu ia. Fui até a casa da dona Jane e encontrei ela usando uma camisola preta quase transparente. Fiquei louco de tesão, meio nervoso e pude ver com mais certeza como ela é gostosa. Ela me fez trocar a torneira, depois me levou até a sala onde me ofereceu uma cervejinha que eu aceitei de boa.

Ela me deixou doido com sua camisola transparente

A gente começou a conversar, ela disse que se sentia muito sozinha e que queria que eu fosse visitar ela mais vezes porque gostava muito de mim e de repente ela se sentou de pernas abertas de propósito pra ver qual seria minha reação. Eu fiquei de pau duro na hora vendo a calcinha minúscula dela.

Ela percebeu, chegou perto de mim e do nada sentou no meu colo e disse:
– Parece que você tá animadinho né? tenho que te falar que já tem um tempo que observo você e te acho um gato, já me masturbei várias vezes pensando em você;

Eu fiquei doido, não falei nada, só beijei a boca dela, peguei na cintura daquela mulher gostosa e comecei a passar a mão pela bunda dela até alcançar sua buceta toda molhadinha com meus dedos. Ela gemeu gostoso, respirava forte e falava o quanto tava gostando daquilo.

Eu não aguentava mais, coloquei o pau pra fora e ela começou a bater uma pra mim. Eu já tava ansioso pra comer a dona Jane e ela me puxou pra o quarto dela, um lugar bem arrumado, com uma cama enorme e me deitou lá enquanto tirava minhas roupas e depois de me deixar peladinho, ela tirou a roupa dela e pude ver pela primeira vez aquela gostosa com seus peitões ali a mostra.

Ela sentou em cima de mim, pegou uma camisinha na gaveta, colocou no meu pau e antes de sentar nele colocou seus peitos na minha boca e disse:
– Quer mamar? adoro quando chupam meus peitos.

Eu obedeci, abocanhei um peito e passava a mão no outro e ela pedia pra eu chupar mais forte. Eu chupei com tanta força que deixei uma marca forte nela, mas a safada pedia mais, vi que aquela mulher ia me dar trabalho, e foi verdade.

Ela sentou na minha rola, encaixou gostoso e começou a cavalgar enquanto levava minha mão até seus seios enormes e mandava eu tocar neles. Eu tava sem acreditar que tava comendo aquela coroa gostosa, amiga da minha mãe, era melhor do que eu pensei.

Comecei e me movimentar embaixo dela, fodendo com força e ela gritava e dizia pra eu não parar. Eu busquei a boca dela, dei um beijo gostoso enquanto agarrava seu rabo e socava meu pau com força nela e ela gritava de tanto tesão e tava começando a ficar bem suada, uma delícia.

– Assim mesmo, não para! Mete essa pica gostosa na minha bucetinha vai, quero que você me deixe toda arrombada – disse ela enquanto se aproximava pra lamber minha orelha e me deixava mais louco. Meu pau batia forte na buceta dela, só faltava minhas bolas entrarem de tanto que eu socava e logo ela levantou, mandou eu esperar um pouquinho, fiquei sem entender mas ela tirou um lubrificante da gaveta e trouxe até mim.
amiga coroa
-Quero que você coma meu cuzinho, adoro sexo anal! – e claro que topei né? coloquei ela de quatro, lambuzei o cu dela com lubrificante e comecei a meter devagar, tava meio difícil de entrar porque meu pau apesar de não ser muito grande (tem 16 cm) é grosso pra caralho e demorou pra encaixar no cuzinho dela.

Quando consegui encaixar foi uma delícia comer aquele buraco apertadinho, a dona Jane gemia de dor, dizia que eu ia deixar ela arrombada, mas pedia para eu não parar, então continuei socando até aumentar o ritmo. Meti gostoso, eu fiquei um tempão arrombando o cu dela até que não aguentei e gozei gostoso.

Ela tirou a camisinha, deu um nó, jogou no chão e veio chupar minha pica. A mulher deu um trato gostoso no meu cacete até ele ficar duro de novo e eu gozar mais uma vez na boca dela. Foi muito gostoso, também chupei aquela buceta deliciosa e fiz a dona Jane gozar na minha boca.

Quando me dei conta já tinham se passado mais de 2 horas que eu tava com ela, então fui pra casa sem tomar banho mesmo pra não ficar estranho, mas antes beijei muito a amiga da minha mãe. Até hoje to comendo minha vizinha e ninguém desconfia.

Categorias:

Coroa