Conto Gay: Transando com o maconheiro da minha rua

Transando com o maconheiro da minha rua. Oi, me chamo Jonas, tenho 22 anos e vou contar como foi minha primeira vez com um homem a algum tempo atrás. Foi uma experiência muito louca que me deixa com tesão até hoje quando eu lembro.

Na minha rua tem um cara chamado Alisson, é um maconheiro com fama de noia que usa aba reta, bermuda folgadona e é cheio de tatuagens. Ele sempre foi super homofóbico comigo, eu sempre curti andar na moda, tinha muita amizade com mulher e apesar de não ser tão afeminado, sempre foi evidente que sou gay.

Toda vez que eu passava na rua o Alisson tava com os amigos dele fumando e comentando:
– Lá vai a bichinha – E todos davam risada do que ele falava, eu tinha um ódio dele mas confesso que quando via esse safado agarrando alguma garota da rua, me dava tesão ver como era a pegada dele. Ficava imaginando como ele devia ser brocador na cama, pegar de jeito mesmo.

E assim as coisas iam seguindo, todo dia ele me zoava, eu ficava calado por medo desse ogro fazer algo comigo e quando chegava em casa ficava puto. Isso durou um tempão, até que eu arrumei meu primeiro namorado, mas morria de medo de liberar o cuzinho, ficava pesquisando mil coisas na internet e meus amigos sempre comentavam o quanto doia.

Eu tinha 1 semana de namoro e meu namorado já queria me comer, mas a gente ainda não tinha a oportunidade de ficar sozinhos e a coisa foi demorando pra rolar. Uma vez passei com ele pela rua tarde da noite e ele me deu um beijo no rosto, a gente achou que não tinha ninguém passando mas justo o filho da puta do Alisson tava chegando de moto e falou um monte de merda.

Meu namorado queria brigar, enfim, foi uma loucura, nesse dia eu até chorei de raiva, mas resolvi não baixar a cabeça pra ele então acabei descobrindo porque ele era tão preconceituoso comigo. Uns dois dias depois meu namorado veio aqui em casa e o Alisson tava na porta, olhou e não disse nada.

Meu namorado foi embora porque já era tarde, meus pais estavam numa festa e como eu não sabia a hora que eles voltariam, não quis arriscar meu namo lá em casa comigo, então quando levei ele no ponto de ônibus fui tomar um banho e liguei pra minha mãe. Ela disse que chegaria umas duas da manhã.

Eu fui relaxar na frente da TV tocando uma punhetinha e vendo um pornô na tv a cabo e a porta bateu. Tomei um baita susto e guardei o pau meia bomba e fui atender. Pra minha surpresa era o Alisson, meu vizinho homofóbico, que disse que queria se desculpar comigo e perguntou se poderia entrar.

Eu fiquei com medo e disse que era melhor não, mas ele insistiu muito e acabei deixando. Assim que ele entrou, perguntou se aquele cara que tinha acabado de sair era meu namorado, deu pra sentir que ele tinha bebido alguma coisa, ele parecia meio alto, então eu tentei desconversar mas ele perguntou se eu tinha dado pra o cara, se ele comia meu cuzinho e muitas outras putarias.

Eu nessa hora sei que deveria ter ficado com medo, mas meu corpo reagiu com tesão, meu cuzinho começou a piscar e me arrepiei inteiro. Ele se aproximou de mim e disse que sempre quis me comer e não tinha gostado nada de ver aquele cara ali, e que se fosse pra dar pra alguém que fosse pra ele.

Ele tirou o pau pra fora e mandou eu chupar

Eu gelei quando ouvi isso, ele baixou as calças, colocou seu pau ainda mole pra fora e mandou eu chupar. Eu comecei a mamar naquele cacete e foi crescendo na minha boca, nem consigo descrever que sensação gostosa aquele pau ficando duro com minha chupada, eu sentindo as veias latejando de tesão.

Ele segurava firme na minha cabeça, até com brutalidade, como se tivesse me punindo por sentir tesão com minha boca no cacete dele e teve uma hora que engasguei mas o safado não queria parar, então depois de ficar uns bons minutos chupando seu saco e seu pau, ele tirou uma camisinha do bolso e nessa hora fiquei super nervoso.

Contei pra ele que não ia rolar porque eu era virgem, ele riu e disse sem acreditar muito que então ia ser o primeiro. Ele chegou perto de mim, me colocou de quatro e começou a chupar meu cuzinho todinho. Ele lambia, enfiava a língua no meu rabo e dava uns tapas na minha bunda.

Meu cuzinho piscava de tesão, eu tava louco pra dar pra ele e não queria perder a chance por mais que eu tivesse com medo de ser arregaçado por esse pirocão. Depois de chupar meu cu o Alisson começou a beijar minhas costas e roçar seu pau no reguinho do meu ânus enquanto pedia pra eu rebolar gostoso.

Eu fiz tudo que ele mandou, meu pau ficou duro e comecei a tocar uma punheta enquanto a gente ficava nessa brincadeira bem safada. Eu tava me acabando de tanto tocar bronha e de repente ele deu uma cuspidinha no meu cu e foi tentando encaixar.

Nem preciso descrever a dor que foi aquele cacete entrando aos poucos no meu cuzinho virgem. Começou a sangrar um pouco, as lágrimas desceram de dor e ele então comentou:
– Seu cuzinho é tão apertado, tá difícil minha pica entrar, tô começando a acreditar que você é virgem mesmo seu putinho.
transando
Ele começou a enfiar o pau devagar, foi metendo gostoso, me fez quase pedir pra parar, doeu pra cacete, mas continuei até que meu cu ficou praticamente anestesiado e ele começou a me comer com mais força. Ele bombava com vontade no meu rabinho e beijava minhas costas.

Eu sentia ele suando em cima de mim, falando muita sacanagem, que meu cu era gostoso, que era o mais apertadinho que ele tinha comido, que eu era o putinho dele e ia me arrombar inteiro.

– Seu cuzinho é uma delícia seu viadinho, vou querer comer sempre mas você não pode contar pra ninguém. Vou deixar seu cu todo arrombado pra você não esquecer do teu macho.

E nisso ele continuou socando com força apertando minha bunda pra o pau dele entrar todo e logo avisou que ia gozar gostoso. Quando ele gozou ele soltou um urro, parecia um homem das cavernas e depois disso ele sentou no sofá e mandou eu fazer um carinho no pau dele.

Infelizmente avisei que meus pais chegariam e ele teve que ir embora, mas antes disse que se eu contasse pra alguém ele ia negar e ia me quebrar no pau. Prometi que não falaria nada, então pela primeira vez naquela noite toda o safado me beijou gostoso e disse que ia ter uma segunda vez.

Depois disso o safado do meu vizinho não parou mais de me comer gostoso, claro que tudo na encolha. Ele ainda pega mulheres, eu tenho meu namorado mas por ele é a verdadeira paixão de pica.

Categorias:

Gay

Comments are closed.