Velhos com Novinhas: Seduzido pela minha afilhada ninfeta

Seduzido pela minha afilhada ninfeta

E aí galera, quero compartilhar com vocês uma experiência gostosa que tive com a minha afilhada Karen. Eu me chamo Roney, tenho 40 anos, sou casado e muito amigo do Alessandro e da Marta, eles são amigos de longa data e pais da minha afilhada.

Ela é muito linda, morena, cabelos lisos, uma bundinha gulosa e peitinhos pequenos apontando pra cima. Eu sempre tratei ela como um pai, mas o tempo passou, ela se tornou uma mulher linda de 18 anos e meu coração não aguentava.

Ela sempre foi muito carinhosa comigo, me tratava como pai, aí me batia a maior culpa por eu pensar maldades com ela, em beijar aquela boca, tocar naquele corpinho, chupar sua bucetinha.

Ela sempre me visita toda carinhosa, sentada no meu colo, me enchia de beijos e queria saber como o tio tava, mas eu tentava ao máximo controlar uma ereção.

Um dia ela ficou toda animadinha porque ia passar as férias aqui em casa, a gente mora perto da praia e ela adora, vive pegando um bronze.

Quando ela chegou aqui, logo no primeiro dia tive uma surpresa. Ela foi tomar banho na piscina prédio, voltou só de biquíni, quase fio dental, mostrando sua bunda deliciosa e seu umbiguinho lindo.

-Oi tio, só vim aqui em cima trocar de biquíni que a parte de cima tá meio apertada, acho que meus peitos tão maiores.

Disse ela rindo e eu fiquei louco. Ela sentou na minha perna enquanto eu desamarrava o biquíni dela.

Vi ela soltar as alças, segurar seus peitinhos com as mãos para cobrir, agradeceu e saiu dando risada. Nem preciso dizer que fiquei de pau duro, fui rapidão ao banheiro e comecei a me masturbar. Foi uma delícia, toquei uma bronha gostosa pensando nela, naquele rabinho guloso e em poucos minutos gozei.

Nesse mesmo dia, minha mulher e ela voltaram no fim da tarde, foram na piscina depois até a praia. Minha esposa curtia uma cervejinha e sempre apagava quando chegava depois de ter bebido.

Minha afilhada foi tomar banho e sentou comigo pra gente ver filme. Ela ficou calada, só depois de uns 5 minutos começou a comentar do biquíni.

-Ai tio, não sei o que faria se você não tirasse aquele biquíni, fiquei toda marcada, olha!

E levantou a blusa para eu ver a marca nas suas costas, pude ver seu corpinho gostoso e o seu sutiã preto de renda. Nessa hora comecei a perceber que ela tava me provocando. E tive certeza quando ela mandou eu colocar a mão.

-É tá meio inchadinho, Ka! mas passa uma pomadinha que tudo melhorar.

Eu fui falando e descendo minhas mãos pelas costas dela, tocando cada parte, desci para perto da sua bundinha gostosa.

Passei a mão nela e a safada ficou com tesão

-Humm, tio, acho que com essa sua mão aí vou acabar melhorando rapidinho.

-É mesmo? mas é perigoso né? minha mão pode ir descendo para outros lugares.

-Quem sabe eu não vou gostar da sua mão em outros lugares?

Nisso não aguentei, puxei ela pra ficar mais sentadinha no meu colo, continuei massageando as costas dela e perguntei se tava gostoso. Ela respondia ofegante que sim e eu continuei passeando as mãos no corpo dela.

Minha afilhada ficou quentinha, sua pele se arrepiava toda, era algo bem gostoso de ver, eu já não aguentava, de repente ela começou a esfregar sua bunda no meu pau e ele foi crescendo até ficar bem duro.

-Humm, parece que você tá bem animadinho né? vai me tocar com ele também?

-Vou sim, mexe gostoso pra você sentir como ele ta latejando por você.

Ela começou a rebolar mais ainda no meu pau, mas ai alguém inventou de bater na porta. Era uma vizinha que veio pedir um carregador de celular emprestado, conversei rapidinho com ela e quando voltei, minha afilhada tinha se mandado para o quarto.

Fui atrás dela, seria foda ela desistir, com meu pau daquele jeito, meia bomba. Entrei devagar em seu quarto e perguntei porque ela saiu. Ela disse q tinha batido um medinho, que isso não era certo com a madrinha dela e tal, mas eu nem quis ouvir, me aproximei dela, puxei para um abraço e coloquei minha língua na boca dela, segurei sua cintura e deu um beijo gostoso, provando a boquinha macia e bem deliciosa dela.

Ela suspirou fundo, meu pau ficou duraço novamente, peguei uma das mãos dela e pedi pra ela me masturbar. Coloquei a mão dela no meu pau e mostrei como eu queria.

Um tesão meu cacete todo babado na mão dela, puxei ela pra um beijo sem ela parar de me masturbar e fiquei morrendo de vontade de jogar ela na cama, joguei e comecei a beijar seu corpinho inteiro e fui descendo e quando alcancei sua buceta toda encharcada, comecei a beijar, desci a língua, chupei mais gostoso, lambi seu grelinho tejo inteirinho e fiz ela gemer baixinho igual uma putinha, morrendo de medo dela acordar minha mulher.

Chupei gostoso, ela gemeu, pedia pra eu foder ela com a língua, minha afilhada tava se mostrando tão safada.

Depois de ter feito ela gozar na minha boca, eu tomei ela nos meus braços, posicionei direitinho com as pernas bem abertas e subi em cima dela. Como meu pau é grosso, ela ficou com medo de doer, mas prometi que iria bem devagar e fui encaixando aos poucos.
afilhada
Botei a cabecinha, a base toda e quando tava tudo lá dentro, caralho, que tesão da porra, comecei a meter nela, nem tava acreditando na loucura que eu tava fazendo de comer minha enteada.

-Nossa, que bucetinha apertada você tem, vai dar ela para o padrinho fuder bem gostoso?

-Aiiii, vou sim tio, fode ela todinha, fode!

Fiquei ali por cima dela metendo forte um tempão, mas queria comer ela de quatro e pedi pra ela empinar gostoso pra mim e quando ela fez isso, me lambuzei chupando seu cuzinho delicioso todinho.

Ela se arrepiava e gemia, meti na bucetinha de novo, pedi o cuzinho pra ela mas a sacana disse que o cuzinho era conquista, então comecei a meter forte na buceta dela, comecei a pingar de suor e ela reclamou que já tava toda assada, então eu pedi o cuzinho ou continuaria metendo ali na xoxotinha.

-Tá bom, mas coloca devagar certo?

Eu prometi que ia devagar, fui encaixando e ela reclamando de dor, mas nem tinha colocado a cabecinha ainda. Resolvi que ia colocar a cabecinha e tirar aos poucos só pra lacear o cu dela. Depois de um tempo a safada acostumou, comecei a socar no seu cu com tanto tesão que até sangrou. Tive que tampar a boca dela pra ela não acordar a casa toda e continuei enrabando ela e aproveitei a outra mão pra masturbar seu grelinho. Num instante a safadinha gozou.

Eu gozei também, enchi o cu dela de porra, arrombei minha afilhada todinha e ninguém até hoje desconfia que de vez em quando eu passo a vara nela.