Minha mulher deu a boceta para o mendigo

Conto de corno: Minha mulher deu a boceta para o mendigo

Oi, vou mandar esse conto que aconteceu a 1 ano atrás, tenho 38 anos, sou casado a 10 e o nome da minha esposa é Clarissa, ela é uma mulher muito safada, alta, não pode ver uma piroca em pé que já quer sentar.

Nós dois sempre vivemos aventuras no nosso casamento, a gente já fez sexo a três, já fomos em casa de swing, orgia e etc.

Um dia comecei a procurar vídeos de sexo meio bizarros nos sites eróticos e percebi que alguns me deixavam bem excitado, como o vídeo de um mendigo comendo uma putinha morena bem gostosa, que parece ter sido paga por alguns caras para foder com esse morador de rua, que parecia bem bêbado e inexperiente, parece que o cara nunca tinha comido uma boceta.

Moro em uma cidade litorânea do nordeste e aqui na orla tem muitos moradores de rua nas esquinas, fora as putas e travestis que ficam fazendo ponto. Eu e minha mulher já até transamos com um traveco desses mas eu não tirava da cabeça a ideia de chamar um cara qualquer que nunca deve ter fodido uma gostosa, pra comer minha esposa safada.

boceta

Um dia em um desses passeios eu avistei um desses caras na rua e perguntei se minha mulher teria coragem de dar para um desses. Ela disse que achava meio nojento e perguntou se era fetiche meu. Como sempre fomos muito sinceros um com o outro, resolvi dizer que não parava de pensar nisso a 1 mês mais ou menos e ela disse que poderíamos amadurecer a ideia.

Em uma noite, quando ela resolveu dar uma volta comigo, fomos em um barzinho, bebemos a noite inteira e mais ou menos 2 da manhã, a gente resolveu investir nessa brincadeira diferente e abordamos um morador de rua, de mais ou menos 35 anos, podia até ter menos e estar acabado pela vida que levava e quando comentei do meu desejo o cara ficou com medo, achando que era brincadeira mas garanti que era sério e mandei minha esposa descer do carro. A rua já estava deserta, pois era domingo a noite e os bares fechavam mais cedo na área em que estavamos e dava para aproveitar. Quando ela desceu, a safada começou a se despir, deixando à mostra uma cinta-liga preta, que deixava a pele clara dela muito sensual, sem contar a maquiagem forte com um batom vermelho e um salto agulha que deixava qualquer homem babando.

Ela começou a dançar pra ele e notei que o cara ficou com tesão e convidei ele para ir a um motel com a gente, o cara continuou desconfiadão mas topou ir. No caminho fomos conversando, ele disse que não tinha muito tempo nas ruas, mas que foi abandonado pela família depois que começou a beber, tinha se tratado do alcoolismo mas preferia viver assim na rua do que dar satisfação a família e disse também que se chamava Jackson e que tinha sido casado com uma mulher muito bonita que trocou ele por um cara mais novo.

Chegamos no motel, fiz o Jackson tomar um banho, preparei minha mulher chupando gostoso a boceta dela, tocando uma siririca, tudo pra deixar minha vadia bem molhadinha pra hora h. Quando ele saiu do banho estava com um cheiro muito melhor e aparência também. Disse que só queria assistir e filmar, pedi pra ele fazer o que eu pedia e ele topou.

Finalmente ia realizar minha fantasia

O cara deitou na cama, mandei minha esposa chupar o pau dele, ela caiu de boca e mamou com vontade aquela pica peluda e grossa, confesso que era bem maior que a minha e ela ficou bem animada. Depois dessa mamada, ela colocou a camisinha nele, foi sentando devagar pra encaixar a piroca e começou a mexer devagarzinho e bem gostoso em cima daquele cacete, deixando o Jackson doido de tesão, dando tapas na bunda grande dela e chamando ela de cachorra, de vadia, de safada, tudo que era putaria ele chamava a Clarissa.

Ela safada como era, começou a sentar mais forte, fazendo um barulho muito alto da trepada, o cara urrou, ela gemeu bem alto e logo ele disse que ia gozar e gozou pra caralho! encheu a camisinha de porra, o cara parece que não via mulher a muito tempo. Depois da foda, nós pedimos umas bebidas, tomamos e conversamos, perguntei o que ele achou e o cara respondeu que nunca tinha comido uma mulher gostosa como a minha e que tinha um bom tempo que ele não via uma bocetinha.

Essa experiência foi muito gostosa, hoje eu e minha mulher continuamos curtindo realizar nossas fantasias e inclusive sempre vamos na praia para eu assistir ela dando para os flanelinhas, outros machos, incluindo suruba. Adoro ser corno e assistir ela ser arregaçada por outras picas, enfim, espero que tenham curtido esse conto!

Posts relacionados

Comendo minha vizinha no elevador Comendo minha vizinha no elevador
Conto de Fetiche: Comendo minha vizinha no elevador Eu moro em um prédio antigo do centro da cidade e tenho uma vizinha gostosa de uns 30 anos que tem fama de putona aqui no condomínio,...
Leia completo
Liberei a bucetinha para o meu vizinho velho Liberei a bucetinha para o meu vizinho velho
Velhos com novinhas: Liberei a bucetinha para o meu vizinho velho Liberei a bucetinha para o meu vizinho velho Me chamo Anne, tenho 21 anos, sou loirinha, olhos castanhos, pele...
Leia completo
Seduzido pela minha afilhada ninfeta Seduzido pela minha afilhada ninfeta
Velhos com Novinhas: Seduzido pela minha afilhada ninfeta Seduzido pela minha afilhada ninfeta E aí galera, quero compartilhar com vocês uma experiência gostosa que tive com a minha...
Leia completo
Minha primeira experiência lésbica com uma prima Minha primeira experiência lésbica com uma prima
Conto de Lésbicas: Minha primeira experiência lésbica com uma prima Minha primeira experiência lésbica com uma prima. Eu me chamo Eliana, tenho 20 anos e com 18 tive minha primeira...
Leia completo
Sobre
O melhor site de Contos Eróticos da internet. Um enorme acervo com diversos temas: porno, sexo, incesto, traição, vizinha, emprega e muito mais! Caso tenha alguma contribuição, nos envie seu conto através do nosso link ENVIE SEU CONTO. Diversos contos de nosso site são retirados de outros sites. Qualquer conteúdo ofensivo, por favor entre em contato que removeremos imediatamente.
Contos Eróticos BR© 2015 / 2019 - Contos Eróticos BR Todos os direitos reservados.