Conto de Traição: Minha cunhada safada de 18 anos

Me chamo Juca, tenho 30 anos e sou casado com a Sandrinha, uma mulata gostosa da mesma idade que eu, um corpo escultural e um furacão na cama. Minha vida sexual é perfeita, não tenho do que reclamar, mas como na vida sempre aparecem umas tentações, vou falar da minha cunhada Daniela.

Ela tem 18 aninhos, cara de inexperiente mesmo, tem mais ou menos 1,64, 50 quilos e é super gostosa, uma mulata deliciosa que ganha até da Rihanna no quesito gostosa e ela sempre foi safadinha, dá um trabalho danado para meus sogros até hoje, e anda de shortinho curto pela rua, de top, ela mostra tudo e deixa os caras do bairro babando, inclusive eu.

Eu já não aguentava mais as provocações dela. Desde que ela virou adulta a Dani me provocava, sentava no meu colo e se esfregava, depois fingia de inocente que não sabia o que tava fazendo e eu tinha que me aliviar na punheta ou comendo minha mulher pra poder controlar aquele tesão.

A oportunidade de comer essa safada chegou no dia que ela entrou para a faculdade. Eu todos os dias ia pra casa buscar ela e levar para a aula. E toda vez ela vinha se exibindo, perguntando se tava bonita, eu ficava doido até que um dia uma professora dela faltou e ela teve que sair mais cedo da aula, me ligou para buscar ela e quando cheguei ela tava em um barzinho com alguns colegas, me chamou pra sentar e ficava o tempo todo me olhando com cara de safada.

A gente nem demorou lá, no caminho ela falou que eu tava um gato e que se eu não fosse tão apaixonado pela irmã dela, ela me pegaria, mas eu disse que tava tranquilo, que ficaria tudo em família e sorri como se tivesse brincando, mas eu tava louco pra traçar ela.

No meio do caminho passei a mão nas coxas dela, ela pegou no meu pau e começou a alisar por cima da calça, logo tava duro feito pedra, ela colocou pra fora e ficou mamando. Foi gostoso demais, ela chupava minha pica, babava em cima do meu cacete e ainda batia uma punheta pra mim enquanto alisava meu saco e botava as bolas na boca, que chupada caprichada hein?

A gente ficou ali daquele jeito, até que não aguentei, fui dirigindo até uma estrada deserta que ficava mais ou menos próximo da rota da casa dela, parei o carro e fiquei ali curtindo o boquete daquela safada. Eu também queria provar um pouco dela e comecei a enfiar os dedos na sua buceta. Meu pau tava explodindo, eu tava louco de tesão e puxei ela com força, fiz sentar no meu colo depois de arriar os bancos e comecei a roçar ela na minha pica.
cunhada
Ela mesma não aguentou, tirou a saia, afastou a calcinha e sentou fundo no meu pau. Eu fui ao céu quando senti aquela xaninha apertada esmagando minha piroca, tava entrando bem apertadinho do jeito que eu gosto. Fui pegando ela pela bunda, passei meus dedos no seu cuzinho melado pela lubrificação da sua bucetinha e comecei a meter o dedo no buraquinho dela.

Ela delirou com isso, era pica na frente e dedo atrás. Fiquei comendo minha cunhada naquela posição, apertando o rabo ela e ela me chamava de safado, dizia que minha rola era gostosa e eu ouvindo isso fiquei com tanto tesão que acabei gozando dentro dela.

Foi muita porra naquela buceta greluda e depois disso ela me fez passar na farmácia pra comprar uma pílula com medo de dar merda depois. Foi uma rapidinha mas foi um sonho realizado comer minha cunhadinha gostosa, pena que a gente não tem tanta oportunidade de repetir a dose.

Categorias:

Contos de Traição

Comments are closed.