Meu padrasto taradão

3 votes

Francisco é casado com a minha mãe, ele é 10 anos mais novo do que ela. Mamãe é advogada, vive ocupada, tem dois escritórios na cidade, na verdade ela vive para o trabalho. Ele por sua vez é dono de uma tabacaria, ambos são muito bem sucedidos. Por muitos anos morei em Portugal e vim a conhecer o meu padrasto recentemente. Eles estão juntos há mais de cinco anos, se dão muito bem, viajam, presenteiam um ao outro, são parceiros em tudo. Na época que eu fazia minha especialização na Europa minha mãe o conheceu, ela sempre conta que foi amor a primeira pica, me divirto com as histórias sexuais que ela me conta. Eu sempre fui mais reservada, mesmo já tendo participado de troca de casais, casas de swings, surubas e afins. Todas as minhas experiências eram mantidas as sete chaves. Quando conheci Francisco fiquei encantada, ele é um cinquentão que leva uma vida saudável, faz Yoga, é atleta. Minha mãe é uma Coroa maravilhosa, vive de procedimentos estéticos e academia, seus sessenta anos são imperceptíveis.

Desde que perdi minha virgindade eu escrevo tudo em um diário secreto de putaria, o mantenho escondido desde sempre, se alguém folhear aquelas páginas repletas de palavras insanas vão pensar que sou uma profissional do sexo. Na verdade eu sempre quis tirar um dia para me prostituir, só por curiosidade. Sou poliglota, minha mãe investiu tudo em meus estudos e em minha carreira profissional, trabalho com comércio exterior e me sinto muito realizada. Sempre tive tudo com muita facilidade, mas o que faltava em minha vida era adrenalina, algo diferente, e que tal alguma coisa ligada ao campo sexual?! Quando retornei ao Brasil cruzei no mesmo voo com um acompanhante de luxo que na ocasião estava vindo de Ibiza, contei sobre o meu fetiche e ela me entregou um cartão de visitas, disse que se um dia eu resolvesse matar minha curiosidade poderia mandar uma mensagem ou ligar para ela. Aquele cartão estava desde então guardado na minha bolsa. Eu já não transava fazia um tempo, a última vez foi tão ruim que resolvi deixar em off os meus casos sexuais. Sempre ouvia os gemidos da minha mãe com o Francisco, na verdade eu morria era de inveja. Naquele dia deixei o meu diário na mesinha de centro da sala e resolvi entrar em contato com o número daquela profissional do sexo. Ela me deu o nome de Larissa, um doce de pessoa, marcamos um horário para que ela me explicasse como funcionava o trabalho, tomei um banho super corrido para ir ao seu encontro, mas esqueci a porta aberta. Meu padrasto então chegou em casa, eu estava no banheiro do andar debaixo que ficava ao lado da sala. Ele se enrolou em uma toalha branca e abriu a porta, eu dei um grito assustada, ele riu, mas mesmo assim permaneceu ali, parado, enquanto eu tomava o meu banho ele escovava os dentes. Pelo blindex jateado eu observava o tamanho do seu pênis que parecia ser enorme e grosso. Meu Deus, eu estava desejando foder com o homem da minha mãe.

Encontro da putaria

 Depois que eu saí do banho eu só conseguia lembrar dos gemidos da minha mãe e da sombra do pau de Francisco. Entrei no meu carro, liguei o som e fiquei me imaginando trepando com o meu padrasto. Não era justo com a minha mãe, mas era injusto comigo desperdiçar esta oportunidade. Propositalmente eu deixei o meu diário na mesinha da sala, eu tinha plena certeza que ele iria ler aquelas páginas e me procuraria logo em seguida, mas eu tinha um plano, para não me sentir tão culpada eu gostaria que Francisco fosse meu cliente e pagasse pelo meu serviço, assim não iria parecer tão errado da minha parte com mamãe. Encontrei Larissa em um restaurante que ficava na Zona Sul do Rio, na praia de Ipanema. Ela estava vestida de forma deslumbrante, jamais imaginariam que estava pronta para faturar seu dinheiro, fruto de prostituição. Ela me explicou todo esquema, havia consigo uma carta de clientes, contendo o nome de vários políticos e empresários, mas eu logo dispensei, eu só queria que Francisco me fudesse, que ele fosse o primeiro, depois eu pensaria se investia na carreira de puta ou não. Passei no Shopping, comprei uma lingerie caríssima, eu a vestiria embaixo de um vestido de seda provocante que havia trazido de Portugal. Mas como dizer ao meu padrasto que eu iria me prostituir e gostaria que ele fosse o primeiro a me comer profissionalmente?! Na adega lá de casa tinha um vinho rosé de uma casa de vinhos do Rio Grande do Sul, ganhadores de prêmios internacionais, seria com ele mesmo que o convenceria a me chupar gostoso. Cheguei em casa, liguei para minha mãe para saber que horas ela chegaria em casa, mas o horário dito por ela não iria atrapalhar a minha proposta com Francisco.

Trepadinha profissional

 Francisco estava na cozinha e veio logo me entregar o diário. Fitei ele com os olhos famintos, meti a mão no seu pau e o perguntei se havia lido minhas experiências de putaria. Ele confessou que era tarado e que sempre quis me dominar, que sonhava com o dia em que faria de mim sua putinha de classe. Seu cacete estava rígido, ereto, pulsante, mas eu queria me fazer de difícil e não poderia me entregar naquele momento, pois ele teria que pagar pelo meu serviço. Ele me perguntou como eu queria ser fodida, se seria naquele momento, ali em casa ou em outro lugar, que as minhas histórias tinha deixado ele excitado demais e que precisava me comer a qualquer preço. Eu esquivei, disse que estava adentrando em outro ramo profissional, que eu seria acompanhante de luxo e que ele só iria me experimentar se pagasse pelos meus serviços. Ele me pediu para sentar de pernas abertas na bancada da cozinha, abaixou minha calcinha e esfregou aquela maçã toda na minha buceta. Segundo ele eu era mais doce que a maçã que ele estava comendo e que iria sim pagar pelos meus serviços, desde que transassemos na cama da minha mãe. Achei aquilo um absurdo, ela não merecia tamanha humilhação e eu recusei. Pedi a ele que nossa transa fosse na tabacaria e ele enfim aceitou.

Marcamos nosso encontro no dia que minha mãe tinha uma audiência e chegaria tarde em casa. Fui com aquele vestido de seda, com a lingerie que eu havia comprado, uma sandália de salto que trançava na perna, coloquei uma jóia que eu havia ganhado do meu pai no dia do meu aniversário de quinze anos e fui. Chegando na loja o ambiente estava coberto de velas, um incenso amadeirado perfumava aquele local. Francisco me comia com os olhos, devorava minha alma e isso me motivava a trepar com aquele homem. Ele afirmou que eu seria sua putinha, sua enteada gostosa e que ele iria continuar me fudendo diariamente, deixando claro que pagaria sempre pelos meus serviços. Colocando uma música erótica, aquele homem foi se aproximando de mim, primeiro delicadamente abaixou minha calcinha, não quis tirar as minhas sandálias, me debruçou no balcão da tabacaria e comeu meu cu como ninguém, de início eu senti um misto de dor com prazer, mas o tesão era tanto que comecei a rebolar no pau dele. Ele me pediu para que não o beijasse, que geralmente puta não beija os seus clientes e como eu estava tentando me profissionalizar não iria deveria cometer tal ato. Eu sentia suas veias latejando dentro de mim, mas o pedi que não gozasse, pois ele ainda precisava comer a minha buceta. Ele abaixou meu vestido, desabotoou meu sutiã e começou a sugar devagarinho o meu peito, nunca ninguém havia me mamado assim, naquele momento eu entendia os gemidos de mamãe, aquele homem era uma máquina de sexo. Enquanto ele chupava minhas tetas eu me masturbava e enfiava os dedos melados na boca dele. Foi quando me penetrou, aquele movimento de pau entrando e saindo foi me dando muita vontade de gozar, minha buceta escorria, como era insaciável o marido da minha mãe. Transamos muito, gozei em sua boca, seu pau, sua mão, tudo que eu mais fiz naquela noite foi gozar. A sua leitada chegou no meio dos meus peitos e ele fez questão de lamber tudinho esfregando a pontinha da língua. No fim do ato ele tirou dois mil reais e passou todas as notas na minha vagina e me disse que na próxima segunda-feira iria agendar mais um dia de serviço, me indicou dois amigos muito ricos e eu entraria em contato para agendar os horários de sexo com ele. Além do comércio exterior como profissão oficial, foder era o meu segundo emprego, quase uma atriz do xvídeos.

Minha mãe não pode nem imaginar que o meu padrasto me fode gostoso. Gostei da vida de cachorra empreendedora, além de ser poliglota a língua que eu estava aprendendo a ser fluente é a da putaria.

(0) Comentário(s)

Nenhum comentário

Deixe seu comentário

Sobre
O melhor site de Contos Eróticos da internet brasileira. Um enorme acervo de temas: porno, sexo, incesto, traição, vizinha, emprega e muito mais contos de sexo! Quer contribuir? ENVIE SEU CONTO. Qualquer conteúdo ofensivo, por favor entre em Contato que removeremos imediatamente.

porno - contos eroticos - contos erótico - quadrinhos eroticos - Filmes Porno - Xvideos - Porno - Porno Gratis - videos amadores

© 2014 - 2022 - Contos Eróticos → Os Melhores Contos Eróticos e Sexo (2022) Todos os direitos reservados.