Conto de Virgens: Fui desvirginado pela minha professora de matemática

Olá, me chamo Ricardo, tenho 27 anos e quando e sempre fui atrasadinho com relação a sexo. Eu frequentava a igreja aqui do bairro e sempre soube que quando fizesse 21 anos deveria casar e tudo mais. Eu tinha uma namorada que era frequentava o culto comigo, ela e eu crescemos namorando mas quando fiz 18 anos o meu corpo pedia por sexo.

Eu tocava várias punhetas mas depois me sentia sujo, como se tivesse cometendo algum pecado, mas não conseguia evitar. Minha namorada se chamava Alice, uma morena muito linda, com um corpinho perfeito apesar das roupas recatadas esconderem um pouco isso. Eu era louco pra comer ela, mas sabia que teria que casar primeiro e isso me deixava bem afim de apressar o casamento só pra comer aquela gostosinha.

Eu comecei a trabalhar cedo e por isso parei de estudar por um tempo, porém depois eu resolvi voltar para escola, terminar meu segundo grau e com 18 anos eu estava no segundo ano do ensino médio e me saía muito bem na escola, sempre fui estudioso e minha professora Carla sempre me elogiava. Ela era uma mulher de uns 30 e poucos anos, muito bem feita, corpo bem cuidado, ela tava sempre cheirosa, unhas pintadas de vermelho e com uma maquiagem no rosto. Nem parecia professora, ela parecia mais uma advogada ou algo do tipo, e nem preciso falar que os caras da escola ficaram babando por ela né? a mulher era um espetáculo.

Eu sempre ficava até depois da aula para tirar minhas dúvidas e notava que ela era muito carinhosa comigo, me beijava no rosto, me abraçava, isso me deixava com o maior tesão e culpa, porque eu achava que ela tava sendo somente legal comigo. Um dia eu tava lá com ela tirando dúvidas da matéria dela, que era matemática e a professora Carla que tava de saia abriu as pernas discretamente enquanto eu estava sentado de frente pra ela e mostrou a calcinha. Eu fiquei com tesão e bem chocado, mas fingi que nada tinha acontecido, porém ela me olhou com um olhar de desejo que me deixou louco.

Aquele dia fui pra casa e me masturbei pra caralho pensando nela, em como seria ela pelada, como seria a bocetinha dela, que pela calcinha parecia ser bem pequena e toda depilada. Eu fiquei a semana toda obcecado por aquela mulher, meu pau já tava todo esfolado na punheta. Pior que minha namorada vinha aqui em casa e eu nem tinha vontade de ficar com ela naquele namoro morno onde só rolava beijinho e nem mão boba podia rolar.

Os dias foram passando e minha professora jogando pesado, me elogiava muito, dizia que eu era lindo e outras coisas, até que pra não prolongar muito a história, chegou um dia que eu tinha um trabalho pra fazer, e era da matéria dela, mas estava cheio de duvidar e ela me convidou pra ir na casa dela que me ajudaria, e eu acabei indo né? ela me fez entrar no carro, fomos conversando e no caminho ela começou a perguntar se ela estava bonita, porque ultimamente estava se sentindo gorda, feia e sem sal, mas eu disse que ela era a professora mais bonita da escola e ela ficou toda animadinha.

Chegamos na casa dela, não era muito longe da escola e a Carla disse que tomaria um banho rapidinho e pediu pra eu esperar no quarto dela. Enquanto eu esperava ela entrou no banheiro do quarto mesmo, deixou a porta aberta e foi se banhar. Fiquei morrendo de curiosidade e perguntei se ela queria que eu fechasse a porta. Ela disse que não e pediu para eu levar uma toalha pra ela porque tinha esquecido. Eu peguei uma toalha, fui levar e claro, vi ela nua né? e era isso o que ela queria, mas eu tava bem nervoso, nunca tinha visto uma mulher nua na minha frente, era muito virgem.

Fiquei morrendo de tesão quando vi a professora nua

Ela perguntou se eu tinha gostado do que vi, eu respondi que sim e como eu tava em pânico, ela tomou toda atitude, perguntou se não queria entrar com ela, eu disse que não sabia, mas ela já foi tirando meu uniforme, abrindo minha calça e meu pau na hora ficou duro. Ela me arrastou para o chuveiro, me deu um beijo na boca, e ela beijava muito bem, fiquei até sem graça de não ser experiente. Ela pegou meu pinto, começou a me masturbar e eu confesso, acabei gozando logo e fiquei sem graça, mas ela disse que não tinha problema, me chamou para cama, me fez deitar e deitou em cima de mim, me beijando, esfregando a boceta no meu pau e perguntou se eu já tinha transado com alguém.

Eu respondi a verdade, ela disse que não teria problema e me fez tocar no seu grelo durinho, eu adorei a experiência e comecei a mexer no pinguelo dela, e fiz como ela estava me ensinando. Foi uma delícia, aí ela pediu para eu chupar ela, eu cai de boca, não sabia o que fazer mas ela foi me explicando e depois de uns minutos eu já tava bom na chupada e ela ficou louca, começou a me arranhar, puxar minha cabeça, dizer que tava gostoso.

Logo minha pica ficou dura de novo e ela se animou, disse que dessa vez ia controlar o ritmo, ela então começou a brincar com minha pica, sentou gostoso e começou a rebolar gostoso pra caralho, parecia um sonho eu foder aquela mulher deliciosa, foi uma putaria boa do cacete e eu tava sem acreditar que finalmente tava perdendo minha virgindade com uma madura bem gostosa.
professora
Ela pegou minhas mãos, colocou no peito dela e disse que eu era um garoto tão gostoso, que ela deixaria eu comer o cuzinho dela. Eu mal sabia o que fazer, mas ela ficou de quatro, pediu para eu ir devagar e lambuzou seu cuzinho com um lubrificante e pediu pra eu meter gostoso com uma cara de safada do caralho.

O cuzinho dela era tão apertado, esmagava meu pau e eu tinha que me controlar para não gozar de novo rapidamente. Ficamos ali, ela falava muita putaria e foi uma sacanagem gostosa da porra, eu dei uma gozada dentro do cu da minha professora, era quentinho, gostoso e eu tirei minha pica pingando de tanta porra guardada no meu saco.

A gente sempre depois da aula ia se encontrar na casa dela para trepar e eu me senti culpado, terminei com minha namorada e parei de frequentar a igreja. Depois disso acabei casando com minha professora e até hoje frequento a cama dessa mulher gostosa que faz todo tipo de putaria comigo.

Categorias:

Contos de Virgens

Comments are closed.