Contos de Fetiche: Dei meu cuzinho virgem no banheiro da balada

Dei o meu cuzinho virgem no banheiro da balada. Oi, meu nome é Clara, tenho 19 anos e vou contar um relato curtinho de como eu perdi minha virgindade anal numa balada com um amigo. Eu fui com uma galera da faculdade para uma balada, tinha um cara lá chamado Igor, que eu tinha um crush, ele era magrinho, branquelo, com cara de nerd e confesso que sempre curti esse tipo de cara, mas só a cara de nerd, porque na hora da pegação eu curto que o cara seja bem safadinho e o Igor faz esse tipo.

Combinei com minhas amigas o horário da balada bem animafinha, a gente ia comemorar o aniversário de uma colega rica em uma casa de shows que o pai dela fechou só pra esse aniversário. A garota tava fazendo 21 anos e queria uma big festa. Na hora marcada fui com duas amigas, a Juliana e a Paula, que vieram me buscar de carro. Eu já tinha transado com um ex namorado e depois que dei minha bocetinha pela primeira vez fiquei viciada, mas morria de vontade de fazer anal e tinha medo. Eu já tinha tentado, mas doía demais, meu cu é bem apertadinho.

Eu fui com um vestido preto bem justo, uma calcinha fio dental, daquelas de renda que ficam bem atoladinhas no rabo. Eu não queria nada marcando minha roupa naquela noite. Assim que cheguei vi o Igor, eu notei ele babar na minha roupa decotada. Eu sou uma morena baixinha, mas bem gostosa, sou morena de cabelos longos que chegam na cintura e na hora da foda adoro quando o cara me pega por eles.

Eu comecei a beber, meu amigo se aproximou e a gente começou a conversar, até que fiquei muito bêbada e com a boceta piscando. Parece que quando a bebida entra, o fogo aumenta e eu queria muito foder. De repente a gente começou a ficar, ele me deu um beijo gostoso, enfiou sua língua molhada e quente na minha boca, minha xaninha começou a dar sinal de vida, minha calcinha ficou ensopada de tão molhadinha que eu fiquei só com aquele beijo.

Senti a pica dele ficar dura encostada na minha boceta, ele sem aguentar me chamou pra um canto mais escurinho e começou a passar a mão na minha bunda e passar os dedos pelo reguinho, empurrando meu vestido com tudo para a entrada do meu rabo. De repente alguém passou e pegou a gente no flagra, por isso ele me chamou para ir ao banheiro masculino. Fiquei meio nervosa mas topei ir, chegando lá ele tirou meu vestido com pressa e já foi caindo de boca nos meus peitos, que estavam com os bicos durinhos de tesão. Ele chupou com tanta força que deixou uma marca e bem dolorido, mas eu adorava isso.

Ele rasgou minha calcinha e me fez sentar gostoso

Ele rasgou minha calcinha, olhou pra mim e deu uma cheirada boa, dizendo que o cheiro da minha boceta molhada era maravilhoso. Quando ele abriu o zíper e botou o pau pra fora, tomei um susto com a grossura. Era uma pica de tamanho normal, mas era bem grossa, na hora que fui chupar mal cabia na minha boca, mas mesmo assim engoli, fiquei sufocada, com a boca dolorida mas adorei aquela rola gostosa pulsando na minha boca. Eu deixei o pau dele todo babado de tanto mamar, chupei seu sacão gostoso, lambi, fiquei louca, me deliciei com aquela pica.

Ele tava com o pau duro demais, e eu sem aguentar, já tava doendo de tanto tesão, pedi pra ele me comer, ele me pegou pela cintura e disse pra eu sentar em sua rola. Sentei com vontade, minha boceta escorregou inteirinha naquele cacete e ele soltou um gemido gostoso, apertou minha bunda com força e me fez rebolar enquanto mamava meus peitos deixando várias marcas.

Ele me fazia rebolar na sua rola, minha boceta já tava toda arrombada, eu tava dolorida de tanto cavalgar naquele pauzão e toda hora entrava alguém no banheiro, aumentando ainda mais o meu tesão pela aventura que era aquilo, ele puxava meu cabelo, me chamava de vadia gostosa e quanto mais me xinga, mais excitada eu fico.

Se minha boceta tava dolorida, ainda ia ficar mais arrombada porque ele pediu meu cuzinho, logo falei que nunca dei, mas isso deixou ele mais animado, sabe como é homem né? não aguenta ficar sem um cu. Ele insistiu tanto que pra não quebrar o clima aceitei, mas pedi que ele colocasse devagar tá? Se eu não tava aguentando aquele pauzão na frente, imagina no meu cu virgem?

Ele me pediu pra ficar empinadinha, fiquei apoiada na descarga do vaso, ele passou a lubrificação da minha boceta no meu rabo, deixou meu cu bem molhadinho e enfiou um dedo. Eu senti muita dor e não consegui relaxar, mas ele sabia como fazer gostoso, começou a me masturbar com uma mão enquanto enfiava o dedo no meu cuzinho, que engolia o dedo dele inteirinho.
banheiro da balada
Ele ficou ali brincando com minha xaninha e com meu cuzinho, até eu ficar bem relaxada, mais molhadinha ainda e aí passou a cabeça do pau, me fazendo tremer inteira de tão nervosa que fiquei. Meu coração disparava, eu tava bem ansiosa e nervosa pela minha primeira vez dando o cu. Ele empurrou devagar até que seu pau entrou todinho no meu rabo. Tentei empurrar ele, tava sem aguentar a dor, mas ele não parou, disse que ia ficar gostoso, que era só eu relaxar, aí ele foi metendo devagar enquanto me masturbava e isso me ajudou a deixar meu buraquinho mais relaxado, ele metia, me chamava de gostosa, disse que nunca comeu um cu apertadinho como o meu e que eu era uma delícia.

Logo comecei a curtir e ele foi aumentando as estocadas, metendo forte, fazendo descer lágrimas dos meus olhos de tanta dor, mas eu também tava sentindo prazer nisso. Ele ficou um tempão comendo minha bundinha e quando terminou tirou uma foto pra eu ver o rombo que ele deixou. Tirou até sangue do meu rabo, mas depois ele terminou de me comer e gozou no meu cuzinho, encheu de porra e ficou escorrendo tudo até minhas coxas. Essa foi a melhor foda da minha vida, apesar de eu ter ficado dias toda arrombada sem conseguir sentar direito.

Categorias:

Fetiche

Comments are closed.