O dia em que minha esposa deu pro negão Jurandir

Bem o que vou relatar para você aconteceu a uns anos atrás, sou casado, minha mulher uma loira, bonita, bronzeada, corpo muito bonito umas pernas lindas, uma bunda maravilhosa, saliente, carnuda, com aquelas marquinhas do biquíni, adora sol, e se exibir com roupas provocantes, saias curtas, shortinhos, curtos, uma delicia, as vezes ate brigávamos por estes motivos, eu sentia ciúmes, dela, desde de que casamos ela já era assim, e isso ela me jogava na cara.

Com o passar dos anos ela se formou em professora, conheceu uma amiga a Regina, bem safadinha ela, com o passar dos anos comecei a sentir tesão em ver os homens olhando para ela, e comecei na hora do sexo a falar coisas como chama-la de puta, vagabunda , ficas mostrando esta bunda para outro macho, e senti que ele ficava excitada com isso, e então passamos a ter um maior entendimento e diálogo aberto, em sexo, ela sempre foi bem ativa, adora sexo anal,, oral, faz de tudo, também meu pau e pequeno 14 cm, mais grossinho.

Um final de semana fomos convidado para um churrasco na casa da Regina, muito bom, muita bebida, e nesta festa fomos apresentados a um negrão, feio, mas muito engraçado brincalhão, gente boa mesmo, ficamos logo amigos, começou um bailinho, a meia luz, escurinho, já passava da meia noite, muitos foram embora ficou só alguns, o negrão Jurandir, começou a dançar com a minha mulher, eu comecei perceber que ele a encochava se esfregava nela, nossa comecei a ficar excitado, eu sei que ficamos ate umas duas horas da manha,, fomos embora no caminho já alcoolizados eu perguntei o Jurandir estava se esfregando para caralho em você, ela disse estava mesmo, estou toda molhadinha, ela me disse sabe o que a Regina me falou que ele tem uma rola enorme, e muito grossa, eu dançando com ele e pensando na rola dura dele me cutucando, nossa ficamos excitado chegamos em casa e transamos falando do Jurandir.

No dia seguinte novamente veio o papo do Jurandir, a gente transando eu perguntei já pensou o Jurandir metendo nesta boceta, você não iria aguentar, ela respondeu como você sabe, eu então disse isso cachorra, vagabunda, quer sem arrombada pelo Jurandir, e ela confirmava, eu perguntava tu teria coragem mesmo, ele confirmava, nossa aquilo me dava um tesão enorme, ela loirinha recebendo uma rola preta, transando com um negrão enorme.

negão jurandir

Minha esposa e o negão Jurandir

Por coincidência no meio da semana encontrei com o Jurandir no centro da Cidade, ele convidou para tomar uma cerveja, conversamos depois de umas a mais veio o papo da churrascada, ele disse nossa foi muito gostoso, eu então falei é você se esfregou para caralho na minha mulher dançando, ele riu e disse que nada, mulher de amigo meu para mim e homem, eu completei e mesmo você só fode o cuzinho, ele voltou a rir e disse e mesmo e que bunda sua mulher tem, ela curte dar a bundinha, eu disse tanto curte como gosta,, ele disse e mesmo, que delicia, eu completei mais segundo comentários com respeito a sua rola ela não deixaria, não iria aguentar, ele me responde deixa sim, se gosta deixa, eu sou bem carinhoso, a conversa estava tomando outro rumo mais eu tinha que ir embora, e perguntei tem alguma festa no final de semana, ele disse que não, mais disse na Sexta Feira no clube tem um forro, bem legal, eu vou sempre lá., eu perguntei tu vai lá na sexta feira ele disse que sim.

Como a gente sempre saia para beber, saímos eu fui ate o clube, não comentei nada com ela sobre o Jurandir,, peguei uma mesa, ela adora batida, mais e fraquinha na bebida, com duas batidas ela já fica alegrinha, eu batizei a batida com fogo paulista, fica mais forte e faz efeito mais rápido, ela começou a querer dançar o Jurandir não chegava, do nosso lado um coroa, mulato, ela vestia uma calça de lycra justa mostrava bem o volume da bunda, um camisão degotado mostrava as poupas do seios que são volumosos, uma sandália salto alto, nossa estava maquiada uma delicia, acabei puxando conversa com o senhor que não tirava os olhos dela, e acabei perguntando se ele dançava ele disse que sim, eu disse quer dançar com ele eu não sei dançar, principalmente forro, ela foi dançar com ele, da mesa eu via ele apertando ela, e vi ele passando a mão na bunda dela, terminou a musica ele voltou para a mesa e disse amor nossa o coroa aperta, se esfrega, eu perguntei deu para sentir a rola dele ela disse claro e não deve ser pequena não, nossa já estávamos excitados.

Nisso o Jurandir chegou ela deu uma risadinha, o Jurandir foi buscar umas bebidas, ela me disse você e safado, planejou tudo, depois não reclama, eu disse o que você esta falando, o Jurandir, tu acha que aqui longe dos conhecido eu vou aguentar, vou dar mole para o Jurandir, eu disse tem certeza, vai querer mesmo, vai aguentar,, ela respondeu que sim, eu sei que dançaram ate umas duas da manha, resolvemos ir embora o Jurandir estava a pé eu de carro, minha mulher entrou no carro na parte de trás, o Jurandir acabou subindo atrás também, no caminho os dois começaram a se pegar ali mesmo, ele tirou a rola para fora das calças ela caiu de boca chupando, e dizia olha amor e grossa mesmo, mal cabia na boca dela, eu disse vão querer ir a um motel,, o Jurandir disse não vamos ate em casa.

O dia que o Jurandir arregaçou minha esposa

Lá ele já foi abraçando ela tirou a roupa dela, começou a chupar sua boceta, ela chupava a rola dele,, ela começou vem Jurandir vem aqui vem, quero sentir esta rola aqui dentro, vem, ele começou a penetrar aquela rola preta cheia de vergalhões, nossa ela gritava, reclamava pedia devagar e o negrão meteu tudo ate o saco, nossa ele com ela de papai e mamãe, ´por trás eu só via o saco de fora, ele bombava forte ate encher a boceta dela de porra, nossa que delicia, eu não aguentei cai de boca chupando a boceta dela lambendo aquela porra todinha, acabei gozando também, ficamos ali conversando na cama, ele levantou foi tomar banho, ela também,, ele dentro do box, acabou fodendo ela de novo, ali de pé mesmo, mais não gozou pois queria comer o cuzinho dela, voltaram para a cama, ela deitou-se de bruços, com a bunda para cima, ele chupou o cu dela, se ajoelhou na cama em cima da bunda e com um lubrificante lambuzou a rola e o cu dela, e ficou pincelando, ela relaxou ele socou a rola dentro.

Nossa ela deu um grito, pediu tira tira esta doendo, ele tirou, eu pensei ela não vai deixar mais, que nada mandou ele passar mais creme, e ele começou de novo, novamente entrou, quase a metade ela queria que ele tirasse, ele então começou a dizer não sua putinha agora vai entrar tudo, você não disse que iria dar a bunda para mim agora eu quero meter ate o talo, e enfiou nossa ela chorou xingou ele, mais ela não quis nem saber atolou a rola todinha lá dentro deitou-se sobre o corpo dela, deu um tempinho e ficou num vai e vem frenético nossa eu por trás via aquela rola entrar no cu dela, ela então disse isso seu corno vê o que ele fez com o meu, cuzinho me arrombou todinha, era isso que tu queria né seu corno, ver um macho me arrombar todinha, ele tirou de dentro e me mostrou o buraco, nossa arregaçou mesmo ele gozou outra enxurrada de porra, eu não quis nem saber cai de boca no cuzinho dela, e chupei aquela porra nossa que delicia, ai ela já não aguentava mais fomos embora.

No caminho ela me disse amor estou toda dolorida mais foi muito bom, adorei, obrigado, mas antes de sair da casa do Jurandir pedimos sigilo não comentar nada com a Regina o que havia acontecido, e depois por varias vezes saímos com ele novamente, numa sexta feira estamos para ir lá no forro para ver se encontramos o coroa ver se rola alguma coisa, mais depois eu conto para vocês, agora ela não querer parar e nem eu adorei ser corno e chupar porra, espero que tenham curtido, esta e uma historia verídica.

Contribuição: Carlos

Leave a Reply

Your email address will not be published.