Conto de Fetiche: Dei a boceta para o vizinho mecânico

Sou a Adriana, tenho 23 anos e moro na grande São Paulo. Moro desde nova no mesmo bairro e quando comecei a me interessar pelo sexo oposto passei a reparar no meu vizinho Antônio, um moreno alto com um corpo gostoso levemente definido e um olho meio puxadinho que deixava ele com cara de safado. Esse gostoso morava e trabalhava em uma oficina que ficava perto da minha casa e todo dia eu curtia passar de shortinho curto só pra provocar e notava que ele ficava babando por mim, olhando com uma expressão de tesão e pegava no pau dentro daquele macacão azul todo sujo de graxa.

Sempre ficavamos nessa de flertar com o olhar mas por ele ser casado com uma piranha do nosso bairro e eu ser vizinha, acho que ele ficava meio assustado de se chegar. Um dia volei da aula e vi o Tony como ele era conhecido pela galera, chegar em casa, já que nossas casas eram coladas. Ele me deu boa noite e perguntou como tinha sido a aula, e eu respondi que foi a mesma chatice de sempre. Ele ia dizer alguma coisa mas a mulher dele abriu a porta e o gostoso desistiu e entrou.

Toda vez que eu chegava em casa da aula e via esse homem, eu ficava cheia de tesão, foi por conta do desejo por ele que comecei a descobrir os prazeres do corpo. Sempre que podia eu enfiava o dedo na minha boceta só imaginando as mãos enormes daquele homem me tocando gostoso. Só de pensar meu grelo ficava bem durinho e inchado, doendo de tanto desejo e apesar de gozar gostoso eu sempre ficava frustrada porque nada melhor do que algo real né?

No dia seguinte acordei cedinho, coisa que não era habitual, já que eu acordava a tarde, passei pela oficina e flagrei o Tony sem a parte de cima do macacão deixando seu peitoral suadinho e definido a mostra.

Fiquei cheia de desejo e resolvi dar bom dia! Ele estava sozinho, me cumprimentou e pediu pra eu entrar. Começamos a conversar e para minha surpresa depois de uns 15 minutos de conversa ele disse que me achava gata e sempre reparou em mim. Fiquei meio tímida, e ele continuou, dizendo que se não fosse casado eu não escapava.

Depois das revelações fiquei bem molhadinha

Fiquei bem sem jeito com aquelas revelações mas minha boceta ficou encharcada na hora que ouvi aquelas palavras. Resolvi ir embora, fui a caminho da padaria e voltei pra casa só para ouvir minha mãe reclamar que demorei muito, mas não dei bola e fui pra o meu quarto tocar uma siririca bem gostosa pensando nas coisas que o Tony me disse.

No dia seguinte ele me viu passando e me chamou, pediu meu telefone e eu lógico que dei né? Fiquei ansiosa esperando ele falar comigo e o safado só mandou mensagem mais ou menos a 1 da manhã pergunanto se eu estava sem sono, respondi que sim e ele disse que também, que tinha brigado com a esposa e ela foi dormir na casa da mãe. Ele disse que estavam em crise a algum tempo e bla bla bla, toda aquela conversa fiada que homem usa quando quer comer outra, mas eu achava ele tão gato que não resistia.

Ele perguntou se eu não queria dar um pulinho lá, tomar um vinho ou uma cervejinha com ele e na hora que li essa mensagem meu cuzinho piscou de tesão. Fiz um doce, disse que não podia, que tava tarde, e ele só insistindo. Disse que tava com sono e dei boa noite.

No outro dia ele me mandou mensagem o dia inteiro dizendo que não parava de pensar em mim e que queria me ver. Depois da aula recebi outra mensagem dele, dizendo que tinha fechado mais cedo a oficina e perguntou se dessa vez recusaria o convite dele pra ir em sua casa e depois de tanto insistir acabei indo. Cheguei lá, vi aquele tesudo só de short e camiseta branca, usando chinelo de dedo e com o cabelo molhado e bem cheiroso, com certeza tinha acabado de tomar banho.

Ele mandou eu ficar a vontade, trouxe umas cervejas pra gente e ficamos batendo um papo, falamos sobre tudo, mas depois de um tempo a conversa ficou mais quente, ele perguntou sobre meus ex namorados e eu disse que só tinha tido um. Ele se aproximou de mim e disse que daria tudo pra ser o segundo, me segurou forte pela cintura e tascou um beijo gostoso, enfiando aquela língua na minha boca e apertando minha bunda. Nesse momento minha boceta deu sinal de vida, toda molhadinha e não resisti. Ele então disse que desde o começo notava meu interesse e que sempre me achou gostosinha e ficava louco pra me comer. Aquele macho grande me levou pra o quarto, me jogou na cama, tirou minha roupa com tudo e meteu assim, sem nem fazer uma preliminar, mas do jeito que eu tava molhada eu nem liguei.

dei a boceta

Como só tinha namorado uma vez, eu era bem inexperiente ainda, ele me ensinou muita putaria, chupou minha boceta sem frescura, coisa que meu namorado nunca tinha feito, me botou de quatro, urrava bem gostoso enquanto penetrava e me chamava de putinha, de cachorra, falava que eu era apertadinha e gostosa e depois de um tempo ele deu uma gozada bem forte na entrada do meu rabo, que me deixou com tesão só de sentir aquele leite quente.

Ele levantou de repente, abriu o guarda-roupas e tirou um lubrificante. Eu tava tão entregue que nem conseguia questionar. Ele lambuzou meu cuzinho, enfiou o dedo e disse que tava louco pra meter lá, no que eu respondi que ainda era virgem atrás e ele disse que ia ser carinhoso, mas quando ele meteu tudo que eu fiz foi gritar, mas ele não parou, continuou socando e senti meu cu todo rasgado por aquele pau grosso e veiudo mas isso só deixava ele mais excitado e ele foi metendo cada vez mais forte até gozar. Quando acabou de comer meu cuzinho notei que tinha sangue no lençol e eu não conseguia nem sentar de dor. Tomei banho com ele, ainda bem dolorida e fui pra casa.

Infelizmente no outro dia a esposa dele voltou e os dois com o tempo foram fazendo as pazes, mas a gente ainda passou um tempo nós encontrando em um motel longe do bairro pra ninguém desconfiar, esse foi o homem que me ensinou muita coisa e por causa dele acabei ficando viciada em dar o cuzinho rs.

Categorias:

Fetiche

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*