ph1cto47047

Conto Erótico Meu tio me comendo gostoso

Quando fui estudar em um novo colégio; na parte da manhã, tio Mário que trabalhava no centro da cidade passou a me dar carona todos os dias. Tio Mário era daqueles homens sérios que não era capaz de nem olhar uma mulher boazuda que passasse do seu lado na rua… Acho que era por isso que todos confiavam nele. Casado com uma irmã da minha mãe; tinham dois filhos homens. Ele não era nenhum príncipe, e nos seus 49 anos já apresentava sinais de calvície e uma barriguinha saliente de quem trabalha sempre sentado em escritório. Na época, o uniforme ainda era tipo sino frisada na altura do meio das coxas, e blusa branca. Demorou mais de um mês pra ele me pedir pra lhe dar um beijo ao me deixar na porta do colégio… Passei a fazer sempre. Nossas conversas eram sempre banalidades sobre família. Uns três ou quatro meses depois é que ele ao parar num sinal luminoso deu uma olhada pras minhas pernas:
– Você tem pernas bonitas, Kátia!…
– Você acha tio?
– Você é toda bonita… É uma pena que eu já sou um velho!
Aquilo me deixou com uma pulga atrás da orelha; e eu que não era nenhuma bobinha santa:
– Porque, velho?
– Gostaria de ter sua idade pra poder ficar mais tempo com uma menina assim como você!
– Namorar?
Ele voltando a andar com o carro:
– Ia querer namorar muito… Na minha época não tínhamos tanta liberdade como vocês tem hoje!
Dei umas risadas:
– Realmente, até eu mesma acho que as meninas de hoje estão aprendendo tudo muito rápido!
Ele:
– Eu só fui fazer sexo com praticamente 20 anos… Hoje, qualquer menina na sua idade já sabe tudo de sexo, não é?
Dei mais risadas:
– Também nem tanto né tio, eu mesma não sei tudo… tudo!
– Mas já faz sexo, não faz?
– Tio?????…
Acho que foi a primeira vez que ouvi meu tio dar gargalhadas:
– Desculpa Kátia; não queria ser tão indiscreto!…
Estava achando interessante aquele tipo de conversa com meu tio que sempre fui muito reservado… Ele sempre olhando pra estrada e eu o olhando de rabo de olho:
– Tudo bem tio; eu sei que você não é de fazer fofoca… Já fiz sexo sim, mas não tenho tanta experiência assim não… Na verdade fiz muito poucas vezes… Kkkkkkk!
Já estávamos chegando na porta do colégio, e eu dando-lhe um beijo; e ele:
– Quando você tiver dúvida de sexo e não tiver ninguém pra conversar, pode me perguntar; ok?
Tornei a lhe dar outro beijo:
– Olha que eu pergunto mesmo, hein?
– Sempre que você quiser!…
Desci do carro percebendo que minha xoxota tinha ficado um pouco úmida. Fui andando e pensando como meu tio estava se revelando tão diferente do que todos pensavam dele. E logo no dia seguinte, só pra fazer um teste, esperei pararmos na porta do colégio e antes de lhe dar o beijo:
– É normal as meninas fazerem sexo anal?
Eu sabia que muitas das minhas amigas andavam fazendo e gostavam… Só estava provocando meu tio que sorriu:
– Bom, as meninas de hoje não sei; mas, que normalmente as mulheres gostam; isso com certeza!…
Dei o beijo, e ele me segurando pelo braço:
– Porque você perguntou; você ainda não fez?
– Ainda não tio!…
– Mas sente vontade de fazer?
– Kkkkkkkk!… Isso é segredinho!…
E passamos praticamente todos os dias ter conversas bastante picantes durante nosso trajeto até o colégio. E quando num dia, ao nos despedirmos na porta do colégio ele passou a mão na minha coxa, dei-lhe uma encarada e sorrindo:
– Caramba tio… Agora levei um susto!
– Porque minha querida?
– Achei que você ia botar a mão lá…!
– E se eu botasse você ia ficar com raiva de mim?
– Quem sabe… Talvez; kkkkkkkk!…
Ele me apanhou na porta de casa e logo uns 100 metros depois sua mão pousou na minha coxa e começou a fazer carinho e subir cada vez mais até aparecer minha calcinha.
– Cuidado tio… Você tem que prestar atenção no trânsito!
Mas toda vez que o carro tinha que parar por algum motivo vinha ele com a mão direto pra minha xota alisando-a por cima do tecido da calcinha… De propósito eu deixava minha saia levantada. Ele parou o carro um pouco afastado do portão e voltando com a mão empurrou a bainha da minha calcinha pro lado e ficou passando a ponta do dedo na minha periquita. Por sorte o carro tinha aquela película escura nos vidros que dificultava que alguém passasse do lado de fora, percebesse alguma coisa.
– Sua bucetinha deve ser uma delícia!…
– Isso eu não sei tio… Kkkkkkkkk!!!!!
E fui eu, que enquanto ele ainda passava o dedo na minha valetinha descaradamente dei-lhe um beijo na boca deixando-o até meio abobalhado. Rapidamente arrumei minha calcinha, abaixei a saia e saí do carro. Novo dia, e assim que eu entrei no carro:
– Fica sem calcinha pra mim, fica!
– Tá maluco tio?
– Lá perto do colégio você torna a colocá-la!
– Então tá!…
Tirei a calcinha e fiquei virada pra ele com uma perna dobrada em cima do banco. No sinal os carros de trás tiveram que buzinar porque meu tio estava enfiando o dedo na minha bucetinha. Paramos mais longe ainda do colégio e ele passou a socar o dedo na minha buceta enquanto que com a outra mão ia abrindo sua calça até puxar seu pau duro pra fora… Fiquei estarrecida ao ver aquele pinto grande, grosso e cabeçudo. Fiz tirar o dedo da minha buceta.
– Chega tio… Tenho que entrar!…
Enquanto eu vestia minha calcinha, ele continuava com seu pinto pra fora da calça.
– Faz só um pouco de carinho nele, faz!…
Botei a mão no pinto do tio e a primeira coisa que veio na minha cabeça foi querer abaixar pra bocar a boca… Mas sabia que eu não podia ser tão atrevida. Fiquei pelo menos um minuto alisando aquele mastro sentindo toda sua dureza.
– Achei lindo tio!…
– Ele pode ser todo seu, se você quiser!…
– Meu???? Não sei tio; pode ser perigoso!…
– Te prometo que não vai ter nenhum perigo… Você sabe que eu não sou nenhum desmiolado!
Antes de largar seu pinto, dei-lhe um beijo de língua bem molhado.
– Estou toda molhadinha tio… Pena que eu tenho que entrar pro colégio e você tem que trabalhar, né?
Ele:
– Depois de amanhã é sábado; quer sair comigo?
Ficamos ainda uns cinco minutos pra combinarmos de como e onde poderíamos ir juntos sem que ninguém ficasse sabendo… Tio Mário rapidamente traçou tudo como tínhamos que agir no sábado. No sábado saí de casa dizendo que tinha um trabalho de pesquisa pra fazer na biblioteca municipal, pegando um ônibus indo até depois do centro onde desci e fui ficar no estacionamento de um supermercado. Tio Mário pegou a rodovia federal e paramos em um hotelzinho barato de beira de estrada onde ninguém se preocupava em pedir explicações. No quarto pequeno, porém limpo, me vi nos braços do meu tio que após me abraçar e me beijar muito me colocou suavemente sobre a cama pra começar a tirar minha roupa. O que tinha de interessante no meu tio pelado era somente seu pinto grande e duro que me deixava alucinada com vontade de sentir como era transar com um homem pauzudo… Só conhecia moleques de pau pequeno. Foi minha primeira vez que fiquei completamente pelada com um homem em uma cama. Tio Mário primeiro acariciou todo meu corpo, beijou-me da cabeça aos pés antes de abrir minhas pernas e vir com aquele mastro na direção da minha pequenina xeriquinha. Com minha xeriquinha babando de tanto tesão bastou tio Mário colocar na portinha e empurrar pra eu começar a sentir aquela coisa grossa me alargando e me penetrando:
– Aaaaai! Aaaai! Aaaaaiiiiii meu Deuuuuussssss!… Nooooosssa tiiiio!…
E mesmo com minha bucetinha apertada conseguiu enfiar aqueles mais de 20 cm até encostar seu saco em mim e começar a puxar pra trás e tornar a enfiar tudo novamente num ritmo cada vez mais alucinante que tive a impressão de que ia desmaiar. Travei minhas pernas na sua cintura e comecei a sentir algo crescendo dentro de mim até explodir num delicioso e maravilhoso orgasmo… Ele tirando sua linguiça de dentro de mim depois de dar pelo menos mais umas 20 socadas, gozando tudo sobre meus peitos:
– Puta que pariu Kátia… Foi a melhor trepada da minha vida.
Pra mim então, tinha sido totalmente diferente de tudo que conhecia de sexo… Mesmo com minha buceta ardendo estava sentindo uma enorme felicidade. Tomamos um banho e ficamos ainda na cama por mais uma hora abraçadinhos e nos beijando muito. Quando ele voltou a mamar nos meus peitinhos e eu segurando seu pau percebi que começava a crescer novamente, sem me preocupar com que ele ia pensar de mim dei um jeito de colocar a boca e começar a mamar naquela pica deliciosa… Só conseguia chupar a cabeça e uns poucos centímetros a mais; mais era tão delicioso e tão diferente de quando chupava aquelas muxibinhas dos moleques. Mas tio Mário não quis que eu o fizesse gozar com minha boca. Colocou-me de quatro e socando novamente seu pau na minha xota deu praticamente mais de 100 socadas me fazendo ter mais dois orgasmos antes de tirar pra gozar sobre minha bunda… Voltei pra casa andando até de lado de tanto que minha bucetinha ardia. Nunca mais quis me envolver com os garotos; passei a só pensar na pica do tio Mário que chegou a alugar uma quitinete no centro da cidade só pra me comer… Tio Mário me deixou viciada também em dar o rabo. Mas continuávamos também a fazer sacanagens dentro do carro próximo ao colégio… Era tão excitante que eu chegava a gozar com o dedo do meu tio na minha buceta vendo pessoas passando ao lado do carro. Atualmente estou fazendo faculdade e adoro sair com professores que tem mais de 50 anos… Já conheço pelo menos uns 10 motéis.

ph5cto47047 ph4cto47047 ph3cto47047 ph2cto47047

Categorias:

Feminino, Incesto

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

3 Comentários

  • Zeferino Alberto Meque 2 anos ago

    Gostei imenso, mais de facto todas muidas já sabe tuido

  • c conto maravilhoso a tempo não lia algo tao gostoso garotas que quiserem pater papo sobre tudo quem gosta de putaria e disso que amo meus whatsapp 055 82 99910 8182 ou 055 82 99982 6600

  • oiii safadinhas vcs que quiserem fuder bem gostozo so manda mens wtzap.035991787091