Conto Erótico Gay: Acabei comendo o cu do gay

Meu nome é Paulo, tenho 25 anos e moro no Rio de Janeiro. Sou o típico garoto carioca, malhado, 1,83 de altura, moreno de sol e adoro uma praia.

Sempre curti muito o sexo, seja vendo putarias pela internet ou transando com alguma gostosa. Sempre fui do tipo pegador, mesmo namorando eu dou minhas escapadas até hoje.

Eu sempre fui um cara meio preconceituoso com muita coisa, achava dois caras se pegando uma coisa bem bizarra, ficava me perguntando como é que alguém não curtia foder uma bocetinha lisinha e bem gostosa!

Na época que eu estava solteiro, saia com frequência com uma amiga chamada Aline, ela é uma morena tesuda, corpo perfeito, ela sempre pegava uma praia comigo e eu tinha que disfarçar meu pau duro ao ver aquela safada com um biquíni minúsculo todo enfiado no rabo.

Um dia a Aline me chamou para uma festinha na casa de um amigo dela, teria mais gente lá e pelo que eu fiquei sabendo, as festas na casa desse cara terminavam em muita putaria. Eu que gosto muito disso, já estava louco pra foder a Aline ou alguma outra gostosa depois de tomar todas.

A gente marcou para umas 23 horas, passei na casa dela e quando ela entrou no carro fiquei babando pelas coxas grossas em um vestidinho preto bem justo e curtinho. Sem falar que a mulher estava muito cheirosa, pronta para o abate rs.

Chegando na casa do amigo dela, chamado Caio, fomos recebidos por ele, um rapaz um pouco menor que eu, branquinho, com jeito de playboy, usando um jeans bem justo e uma camisa polo preta. O cara tinha um cabelo preto em um corte desses modernos e apesar de eu não gostar de homem, achei ele um cara bem bonitão.
A festa foi um paraíso, tinha gente se agarrando em tudo que era canto da casa, que era uma mansão comparada ao meu apartamento.

Depois de umas horas bebendo, quando deu umas 4 da manhã a galera começou a ir embora, ficando poucas pessoas, cada um em um quarto, alguns na sala, todo mundo fodendo adoidado e eu de pau duro doido por uma putaria.

Eu já tava super bêbado, a Aline me levou pra um quarto, eu com toda pressa tirei a roupa dela, vendo aquela boceta linda, sem pelos e meu pau duro pra caralho de tanto tesão. Deitei ela na cama e comecei a meter gostoso, a cada metida parecia que a safada ficava mais molhada.

Ela gemia alto e bem gostoso, enquanto ia me apertando com as pernas e falando pra eu meter com força, pedindo pra eu chamar ela de putinha e dizendo que nunca experimentou um pau melhor do que o meu.

Ficamos ali naquela sacanagem gostosa e de repente senti alguém atrás da gente. Era o Caio, dono da casa, tirando a roupa e a Aline com a maior cara de safada disse que agora a festa ficaria completa!

Eu não curti muito a ideia de trepar com outro cara junto, nunca tinha feito isso, sempre achei uma veadagem, mas naquele momento eu tava tão de porre e com tanto tesão naquela morena de pernas abertas na cama, que eu acabei entrando no clima. Continuei comendo aquela safada enquanto o Caio ia na direção do rosto dela e enfiava o pau na boca dela. Não pude deixar de notar que o cara tinha um pau grande, só não era maior que o meu, mas o que eu observei mesmo foi o rabo avantajado dele, uma bunda lisinha que acabou me despertando desejos estranhos.

O Caio levou uma garrafa de tequila para o quarto e enquanto a gente fodia aquela gostosa, tomavamos uns goles.

Depois de tanto meter, acabei gozando gostoso mas antes botei pra fora e jorrei tudo na barriga daquela tesuda. Ela ficou louca, continuou chupando o Caio e pouco tempo depois ele gozou na cara dela. Foi uma delícia, aquela mulher era insaciável, ela foi tomar um banho, deixou nós dois na cama esperando por ela e de repente o Caio foi descendo e veio na direção do meu pau. O cara abocanhou meu pau inteiro, eu pensei em dar um empurrão nele, falar que não curtia isso, mas depois daquele menage gostoso, resolvi ir mais além e deixei ele chupar.

Relaxei e botei o safado pra me chupar

Relaxei na cama, segurei a cabeça dele pra ele engolir tudinho e ficamos assim até que a Aline chegou, e ficou observando com a maior cara de puta.

Ela perguntou se a gente teria coragem de transar, o Caio disse que bastava eu querer e ela se juntou a nós dois na cama.

Tomei mais um gole de tequila pra criar coragem, comecei a beijar a Aline, enquanto o Caio continuava aquele boquete gostoso.

De repente ele parou, levantou da cama, abriu uma gaveta numa cômoda, tirou um lubrificante e começou a passar no seu cuzinho. Eu já sabia o que me esperava e fiquei um pouco nervoso, afinal eu nunca tinha comido um macho na minha vida!

Depois de lambuzar o cuzinho inteiro com lubrificante, o Caio foi sentando devagarzinho, só esfregando a entrada no meu pau e aquilo foi suficiente para me deixar louco de tesão.

Depois dessa brincadeirinha safada, ele deitou de bruços e pediu pra eu colocar devagar. Meu pau tava latejando, era um tesão do caralho. Fui botando a cabecinha, ele reclamou um pouco, mas continuei até entrar tudo. Caralho! eu tava comendo um cara, e tava curtindo! Fiquei ali metendo naquele cuzinho apertadinho e gostoso, enquanto o Caio gemia e a Aline se aproximava de mim, me beijando gostoso, colocando seus peitinhos na minha boca.

Aquela putaria tava uma delícia.

Depois de tanto meter de quatro, o Caio sentou no meu colo, enquanto tocava uma punheta gostosa e do lado da gente a Aline assistindo tudo e tocando siririca. Não demorou muito nessa posição e estava prestes a gozar. O safado pediu pra eu gozar na boca dele, tirei a camisinha e jorrei todo meu leitinho na boca daquele puto, que engoliu tudo sem frescura e sem deixar cair uma gota!

comendo o cu

A gente passou o dia assim, tomamos banho, paramos pra comer e depois voltávamos pra cama!

Quando dei por mim já eram 20 da noite, tinha passado quase 24 horas de sacanagem com aqueles dois, mas valeu muito a pena. Depois dessa foda, descobri que sou bissexual, que sinto prazer comendo tanto um cuzinho de macho, como uma bocetinha gostosa.

Eu e o Caio ficamos amigos, até hoje rola as festinhas na casa dele e eu não perco uma, é claro!

Categorias:

Gay

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*